terça-feira, 16 de novembro de 2010

dια 16 ▫ Formador de Opinião?

Não sou um formador de opinião.
Acho que na verdade sou uma espécie de alguém que ensina as pessoas a terem a sua própria.
Um libertador de almas, ou algo do tipo.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

dια 09 ▫

Hoje eu fui normal à escola.
Foi meio desconfortável a princípio... meio, e fim.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

dια 02 ▫ Dia de Finados + EgoCentrismo

Não vejo utilidade de um dia inteiro totalmente dedicado aos mortos.
A não ser, claro, quando chegar a minha hora.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

dια 01 ▫ Avatar

Demorou, mas eu assisti Avatar.

Tem horas que me sinto inútil e meio fora de órbita por não estar no mesmo passo do resto das pessoas comuns.
Enquanto todos buscam por algo apenas porque os demais puseram este algo em um pedestal, me recuso a me misturar com a demasiada massa, me direcionando ao meu próprio gosto.
São raras as vezes em que gosto do que os outros gostam, mas nunca simplesmente porque os outros gostam. Com os filmes são assim. Se eu gostar de um filme, será pelas razões que encontrei ao ver aquele filme, fruto da minha opinião, o que claro, pode ser igual a sua, a dele, ou a dela, mas não com base de informações influenciais.

Como eu disse, é uma questão de ter a minha própria opinião. MINHA PRÓPRIA OPINIÃO.
Não seria humano se não a tivesse, mas não tão humano a ponto de deixá-la formada por outro.

Sem complicações: estou cansado de ver pessoas fúteis dizendo e encadeando comentários sobre determinadas coisas, seja aprovando, ou desaprovando.
Sem mais complicações: estou cansado de ver pessoas fúteis fazendo a cabeça das outras falando bem ou mal de algo, e pessoas mais fúteis ainda se entregando a esse poder manipulativo.

Eu assisti Avatar. Muito tempo depois da grande massa. E eu gostei.


Engraçado, todo mundo que eu conheço disse o contrário. Amigos meus metidos a inteligentes, metidos a cinéfilos, intelectuais, derivados e, mais um pouco.

Não encontrei nenhum motivo que não seja previsível para que o filme seja indigno.

É tosco? Sentimentalista? Óbvio? Cansativo? Sim.
Acho que não são motivos o suficiente para criticar.
Direto ao ponto: não são bons argumentos para querer ser contrário ao mundo, usando ao máximo da hipocrisia, apenas para chamar atenção para ninguém mais além de si mesmo.

O filme tem a sua mensagem. Suas mensagens*.
Podemos dizer que o roteiro não fora perfeito, usando um enredo clichê para desencadear a estória. Mas ora, qual filme não é assim? Corrigindo: qual filme de sucesso não é assim?*
Ausente de tamanho estrelismo, já vi alguns, e "alguns", digo no sentido de "poucos".

Mais uma vez sendo contrário a todo o humanismo, a cultura, prototípicos da humanidade, eu tenho que comentar: Se o Cinema foi criado apenas para a Arte, Fotografia, Sonoplastia e todas as outras coisas que o obrigam a ser tão profissional, pra mim, ele nada mais é do que um grande e enorme vaso repleto de dejetos fecais.
Tenho meu lado culto e perfeccionista perspectivo, mas fico revoltado quando os auto-suficientes exageram em ditos adjetivos.
Um filme pra mim, na categoria do próprio Avatar, é visto como forma de Entretenimento.
Por que os Cinéfilos e a Mídia acabam com a graça disto com todo o seu intelectualismo?

Eu não virei fã de Avatar, mas tive que escrever isto. Por mim, pelo filme. Que merece o respeito que lhe foi dado, assim como as indicações e os prêmios que recebera.
Visualmente lindo, emocionalmente bem construído. Anos de trabalho... dignos.

domingo, 31 de outubro de 2010

dια 31 ▫ Xaveco Planejado

Usei o meu xaveco planejado com a pessoa errada.

Cheguei numa garota, completamente bêbado, e disse:
"Se você não ficar comigo hoje, vai perder o melhor beijo da sua vida".

FAIL.

Eu peguei a guria, só que ela disse pras amigas que não gostou do beijo.
Não foi pra menos, ela ficou de cu doce,
o que me impediu de botar em prática todas as minhas artimanhas.

O azar não foi meu.

E o pior: a cena foi filmada.

Bem, para todas as outras, a carapuça serviu.
Ou teria servido, se a tivesse utilizado.

Enfim, usei o meu melhor xaveco, que havia planejado há tempos, na pessoa errada.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

dια 29 ▫ Politicagem

E hoje o pessoal da minha sala estava discutindo política.

É tão desprezível e deprimente ver crianças sem argumentos tentando argumentar.
Querendo exercer o direito de cidadania, sem ao menos ter uma opinião concreta e aplausível.

A busca deles por propósito de vida é tão óbvia quanto trágica.

sábado, 16 de outubro de 2010

dια 16 ▫ Para o meu AMIGO Rodrigo Ramos

As vezes você sente duvidas sobre teus sentimentos, my brother.
Pois é... é mais do que normal.

Quando nos recusamos à amar, acabamos achando que de fato não amamos.
Mas no fundo, você sabe que o que sentes por aquela guria, é amor.

Pouco importa. Somos homens!
Um dia, sairemos dessa. "Um dia virá"!

Elas não merecem nossas lágrimas.
Seremos fortes o bastante para nos livramos disto, deste amor.

Mulheres... Tsc Tsc

domingo, 10 de outubro de 2010

dια 10 ▫ Dez do Dez do Dez

Sabem que dia é hoje? Dia dez, de outubro, de dois mil e dez.
E o que quê tem? 10 do 10 do 10! Sakou?




Quando era criança, antes de 2001, eu já pensava como seria:
Dia 01 do 01 de 2001, Dia 02 do 02 de 2002, Dia 03 do 03 de 2003,
Dia 04 do 04 de 2004, Dia 05 do 05 de 2005, Dia 06 do 06 de 2006,
Dia 07 do 07 de 2007 (pensava que esse seria meu dia de sorte, mas na data não vi o calendário)
Dia 08 do 08 de 2008, Dia 09 do 09 de 2009 (dia de sorte dos chineses!)
e por fim, hoje, Dia 10 do 10 de 2010.

E, sabe... uma coisa me entristece.
Ano que vem, terá Dia 11 do 11 de 2011, só que depois... nada, acaba.
E não por que tem essas teorias loucas de que o mundo termina em 2012, não, e sim porque se você parar pra pensar... é óbvio.
Por exemplo: o ano, tem 12 meses; pra essa contagem maluca dar certo, eu logo precisaria de um ano após o inicio de um milênio ou de um século, mais certo um milênio, e por fim, outros 11. Ou seja, quando chegar 2012, haverá o Dia 12 do 12 de 2012 – possível data do fim do mundo –, só que depois disso... acabou, não tem mais como! A não ser que até lá, daqui a 3 anos, haja o décimo terceiro mês, o mês 13, o mês do azar, que se chamará Antonio – não sei, mas Antonio foi o primeiro nome mais ridículo que passou pela cabeça, vulgo nome de meu pai.

Pois é! Só me restam três datas, que pretendo estar vivo para que presencie:
Doze do Doze do Doze, Onze do Onze do Onze, e...
Vinte e Sete de Abril de Dois Mil e Vinte & Vinte e Sete de Abril de Dois Mil e Vinte Sete
OU
Vinte e Sete do Quatro de Dois Mil e Vinte & Vinte e Sete do Quatro de Dois Mil e Vinte Sete
Por quê? Tipo, eu nasci em 27/04/1993, e eu sempre fiquei pensando em como seria fazer 27 anos no dia 27; seria algo muito foda! E acho que nunca tinha imaginado antes, algo que me veio na cabeça hoje, como seria meu aniversário no dia 27/04/2027; eu teria 34 anos, o que são 10 anos do ano em que no passado eu estarei completando 24, o que gramaticalmente, e não literalmente, será dito 23.1, ou 23+1, ou 25-1, ou qualquer outra forma de não precisar dizer que a minha idade é 24 – é, eu já tenho muitos traumas de quando tive o azar de ser o #24 na lista de chamada da sala de aula – acreditem, os iniciados com a letra R nunca antecedem o 20.

Em homenagem a este dia tão especial, compus uma música:
“Is it getting better?... or do you feel the same?
Will it make it easier on you now. You got someone to blame?
You say:
Ten loves... Ten lifes... When it's ten need, in the night.
Ten loves... We get to share it. It leaves you, baby, if you don't care for it!

E ae, curtiram? Aposto que sim!

Ah, lembrando: Se você tem TV à Cabo, hoje, no Cartoon Network passa o filme do Ben 10.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

dια 07 ▫

Sempre achei que certas coisas só aconteciam em filmes.
Nunca pensei que fosse me apaixonar por uma amiga.

Começou de um jeito que eu nunca poderia ter imaginado...

Talvez seja como Clark Kent e Lois Lane.
Só que no fim... nunca ficaremos juntos.
E a real, é que eu não te amo.


Sei que não tem jeito mas vou tentando mesmo assim...
E carregando a dor de ver o que nem começou próximo de ter um fim (...)
-
Todos já sabem o que sinto por você, só você não vê
Basta ouvir a tua voz para o meu corpo estremecer (...)


Um Dia - Interprete: Reação Em Cadeia - Composição: Jonathan Corrêa

sábado, 25 de setembro de 2010

dια 25 ▫ Namoros – sempre – deixam marcas

Como sempre faço, de meses em meses, abro as fotos no computador da época em que namorávamos. Eu ainda não sei por que faço isso.
Nos vejo abraçados, curtindo, brincando...
E modéstia à parte, como eu era bonito naquela época! Acho que era a paixão que me deixava daquele jeito. Faz sentido o que dizem. Minha voz era outra, eu era outro. Eu era feliz ao teu lado.
Eu sinto tanta falta!... – é, eu sinto. Mas também não minto quando a culpo pelo fim, por tudo que você fez para mim e para o nosso relacionamento. Coisas imperdoáveis.
Acho que na realidade, o sentimento que ainda resta aqui dentro, foi por aquela que eu achava que fosse você, aquela em que me apaixonei a primeira vista, e prolongadamente; aquela que amei muito, de verdade, embora eu não soubesse, como nunca amei outra daquele jeito antes.

Mas por que existem 'mulheres' assim como você?
Tão imaturas... Tão manipuladoras... “Tão apaixonantes”!

Todos diziam que combinávamos, e que éramos o casal mais perfeito da escola aquele ano.
Eu fico vendo e revendo estas fotos, e está na cara que somos de universos diferentes.
E por que ao mesmo tempo deu – ou teria dado – tão certo?
Talvez tenha sido cedo demais, mas eu encontrei alguém que me completasse tão bem...
O que é triste nisso tudo, é que teus defeitos superam as tuas qualidades – pelo menos pra mim, que gostei de você, te amei, e quis ser teu namorado.

É ridículo você dizer que não faria tudo novamente se fosse possível.
Não disse pra você, pros meus amigos, nem se quer pra mim mesmo, mas isso mexeu comigo.
Eu não serei hipócrita a esse ponto: eu faria tudo de novo se tivesse essa chance.

Mas não sei... Se houve um motivo para que você agora se tornasse parte do meu passado e não minha companhia no presente, eu aceitarei esse fato.
Talvez deva ser como sua ex-'melhor-amiga' me disse: “Eu sou bom demais pra você”.
E ela está certa. Alguém como você nunca seria digna de merecer todo o amor que eu te dei.
Você não merece e nunca merecerá nem se quer uma lágrima da qual não derramei.

Agora, eu estou lhe apagando definitivamente da minha vida.
Adeus, “Minha Deusa de Marfim”.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

dια 21 ▫ Mais um óculos pro saco

Estou deprimido. De verdade.

Ontem ao sair da escola, perdi meus óculos, ainda não sei como, ainda não sei onde.
Hoje passei a manhã pensando no que eu vou fazer pra dar um jeito nisso.
Não faz nem muito tempo que minha mãe comprou os novos óculos – porque o antigo eu estraçalhei – e pagou caro; ou melhor, nem deve ter pago ainda. Além de ter dado mancada com ela, vou ter que cagar dinheiro pra pagar esse e outro novo.

Estou realmente deprimido, e angustiado.
Última vez que me senti assim antes, foi quando roubaram minha bicicleta, quando estava pra acabar meu namoro, e quando mudei pra outra escola.
Eu só não me mato pra acabar logo de vez com essa minha vida inútil, pois ainda não comi ninguém.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

dια 14 ▫ Saudade, Nostalgia, Depressão

Sabe, eu sinto que a minha vida começou a... "desandar".

Pense bem em tudo que vou falar, e provavelmente discordará de mim, mas não me importa o que os outros pensam – mesmo que eu comesse uma longa discussão com quem deixar um comentário indo contra a minha opinião –, pois acho que o motivo de ainda estar vivo é a vontade insaciável, incontrolável e inacabável que tenho de um dia encontrar alguém que se pareça comigo seja na maneira de pensar ou nas atitudes – idiotas e, acreditem ou não, (muito) previsíveis – tomadas.


HOJE, eu tenho que acordar seis horas da manhã pra tomar banho, ir ao colégio, conversar com amigos, fazer a lição em sala de aula – porque de uns dias pra cá eu venho fazendo isso – e puxar o saco de alguns professores; o que é até maneiro, da maneira que eu faço, não igual a todo cdf, mas isso já é assunto pra outro post.
. É legal ter amigos que moram no seu bairro, pessoas que pensam de forma mais madura
. É legal poder chegar atrasado e pular o muro baixo da escola, e mesmo que a inspetora descubra, não faça nada
. É MUITO bom poder ficar fora da sala as matérias que você não quer fazer, mas tendo que ser sorrateiro com os professores antigos de moral alta
. É fodastico realizar as vontades que tinha em 2004, quando estudava lá antigamente e como era ingênuo, apenas ficava admirando os rebeldes sem causa que saiam da classe sem permissão e visitavam as salas alheias e certas partes da escola
. E como igual dos 7 aos 11 anos de idade, chegar em casa, ficar comendo porcaria na poltrona em frente a televisão até tarde da noite e depois dormir.
Mas por que não estou contente com isto? POR QUÊ?

ANTES, ano passado, eu era feliz de verdade.
Acordava cinco e meia da manhã (interrogação), tomava banho, bebia um copo de álcool (exclamação) e andava até a pista pra pegar um ônibus para ir até Mongaguá (interrogação)²;
De vez em quando, no meio deste caminho – mesmo caminho que hoje traço para ir à minha atual escola –, parava no meu antigo colégio (agora meu atual colégio) para ver uma galera – que hoje vejo todos os dias – e depois seguia pro ponto de ônibus e
. Ao chegar no meu destino, esperava até as 07h50 para entrar na segunda aula, e mesmo levando broncas e sermões, era ótimo.
. Zuava com a molecada, era um dos mais legais e admirados da sala, tinha respeito, moral...
. Usava drogas nos banheiros da escola... (interrogações)
. Praticava educação física, pelas primeiras e últimas vezes na vida, jogando vôlei com uma rodinha de garotas, que não eram as mais bonitas, mas sim as mais divertidas, humildes e inteligentes que conheci
. No meio do ano, encontrei alguém, furei o olho do namorado desse alguém, fiquei com este alguém e namorei com esse alguém
. Era alegre, tinha amigos e uma namorada; uma namorada que por pelo menos um mês ('kk) eu amei muito, fiquei abraçado a todo momento, segurei e admirei suas mãos, o que foi um ato mutuo, pois ela dizia que assim como amava as mãos dela, ela amava as minhas também
. Fugia da escola quando íamos para quadra...
. Já era tão intimo com as inspetoras que as ajudava quando pediam e, em retribuição, era só falar que queria ir embora sem ter que justificar que elas me liberavam
. E ao sair – ou fugir – da escola podia ir à pracinha, sorveteria, banca de jornal, lanhouse ou até mesmo pro butéco, pois a escola era no centro da cidade, onde tem de quase tudo um pouco.


Ontem fui dormir 16h da tarde, e só acordei hoje as 05h30m da manhã, o que me lembrou da antiga rotina; sem contar os dias de frio que me nostalgiam com a época em que namorava, chegava atrasado na escola e pulava o muro só pra ver a “Minha Deusa de Marfim” – puta que pariu, tenho que confessar que era muito bom e infelizmente as vezes lembro dessas coisas.
Hoje ao chegar na escola tinha muito pouca gente, e esses poucos que haviam, foram embora, por causa de uma excursão que teve pro Playcenter – o que PRA MIM não justifica a falta para os que não foram à excursão – e então tive que voltar para casa. Aproveitei e fui pra Mongaguá com a minha irmã e minha mãe e ao chegar lá e estacionar o carro na igreja, não resisti e tive que passar na antiga escola, que fica bem em frente, ver se tinha alguém conhecido na quadra fazendo educação física no período da manhã. Subi as escadas e fiquei lá sentado na arquibancada, e me bateu uma forte vontade de chorar; primeiro, por saudade, e segundo, por ter repetido de ano duas vezes e ver a galera que foi da minha sala quando entrei lá em 2005 no 3º colegial completando o último ano.

A vida é mesmo traiçoeira e engraçada! Eu deveria estar bem melhor agora com a simplicidade e praticidade, mas com o passar do tempo, vou percebendo que preferia aquele modo alucinante e pecador a essa vida pacata de merda.
-
Enquanto meu corpo caminha e se estabelece no meu colégio atual, a minha alma continua no velho Aracy da Silva Freitas.
Talvez esteja pagando por todos os anos em que queria voltar pro Antonio Nunes Lopes da Silva. Desde a sétima serie chorando pra minha mãe, pedindo pra me colocar de volta na minha antiga escola com meus velhos amigos do primário, e hoje que isso se concretizou, eu só queria é ter fechado a minha boca e aproveitar tudo o que eu não fiz – acredite ou não, teve muita coisa que eu não fiz.
E do que adianta eu vir com aquele papinho idiota de ‘nunca me arrependo das minhas decisões’ e ‘tudo que fiz foi para que aprendesse no futuro’? Infelizmente há certas coisas que não podemos corrigir, coisas que temos de largar a porra do orgulho de lado e – mesmo que com lagrimas na cara – com a postura de um homem erguer a cabeça e dizer: “Eu errei, fiz cagada, e como seria bom voltar no tempo e fazer tudo diferente”. E sem sair desta mesma postura tem de lembrar que mesmo que tente fugir, esse homem já é um homem maduro e, embora seja triste, tem que se conformar que o que passou, passou.

Mas sou deprimente; Luto por meus sentimentos; Não acaba por aí.

© Raul Izar


Iniciado em 14/09/2010 05h48m e Terminado 15/09/2010 23h33m

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

dια 03 ▫ Mais uma paixão passageira?

Já falei aqui sobre fraqueza do homem? Pois é, já. E de fato os homens são fracos.

Por que não consigo não me apaixonar por alguém?
Não posso lutar contra isso. É estúpido lutar contra isso.

Mais uma vez minha mente entra em batalha.
Do outro lado um exército chamado "sentimento". Exército esse com pontos fracos, mas com armamento surpresa e que por qualquer deslize da razão, poderia ser fatal.

Em um lugar tão estranho, do qual estou acostumado mas ainda não vejo sentido, é inevitável não gostar de alguém, por mais pouco que seja esse “gostar de alguém” – embora de novo eu tente negar para mim mesmo.

Somos tão distantes... E talvez pelo meu orgulho – mesmo orgulho (casca, armadura... chame como quiser) que me protege por todas estes anos –, seria ridículo dizer que a nossa amizade é linda, pelos detalhes que a fazem ser especial, como você é especial; mas com tão pouco tempo de afinidade, seria de fato ridículo dizer isto, e depois bancar o babaca vendo o que está nítido diante de meus olhos: que você não me considera ou retribui o carinho que eu sinto por você, e com o tempo, como todos que já gostei, acaba – infelizmente acaba.


Saudades de uma semana atrás, em que o motivo de ir à escola eram as aulas de português e não ser reprovado por faltas.
-
Chega ser triste acordar todas as manhãs pensando em ver você, se vou ver você; e mais triste ainda é não conseguir lutar contra essa vontade. Rolar madrugadas na cama, e hoje ter passado uma inteira sonhando que estava te beijando. Lembrar e querer o teu corpo ao meu – e sem nenhum pensamento ambíguo.

Não sei descrever o que sinto quando sento ao teu lado e falamos besteiras, e você fica encarando ou estranhando a minha face enquanto faço caretas; quando você me abraça sorrindo e chama meu nome como só você sabe...

Talvez deva aceitar as teorias infantis de meus colegas de classe e pensar se estou realmente apaixonado por você. Mas isso não é paixão – ou pelo menos eu não admita ou queira que seja.
Deve ser atração. Um leve gostar.

© Raul Izar



Escrito em 03/09/2010 11h59m,
Postado no mesmo dia algumas horas mais tarde e
Atualizado: 15/09/2010 23h09m

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

dια 27 ▫ Alice's Adventures In Wonderland

Terminei de ler Alice no País das Maravilhas, e foi curioso, pois quando acabei a última página, caí no sono. Agora vocês não vão adivinhar com o que eu sonhei!
Com e escola :B :/

Vou ser bem sincero: não sei se foi por causa do Johnny Depp na adaptação do Tim Burton, mas as cenas que eu mais achei melhores, engraçadas, emocionantes e bem boladas do livro, foram as que apareceram o Chapeleiro.

Como homenagem ao personagem, tirei uma foto minha de Chapeleiro e, bem...
como não tenho a roupa e nem dinheiro para comprá-la... Photoshop neles!

Ps: Desculpe, mas eu fiquei com preguiça de fazer a montagem.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

dια 26 ▫ A Vida não é uma dádiva apenas dos Humanos

 Zambuletando pela casa, fui até os fundos fazer alguma coisa que já não me lembro – perca de memória à curto prazo xD –, e vi as plantas da minha mãe jogadas lá atrás, umas 10 plantas (todas da mesma espécie) que ela diz amar, mas nem rega o bagulho, que ainda não sei como vivem há mais de 10 anos – falo isso pois me lembro delas desde a infância.

 Algo ali naquelas plantas mexeu comigo. Eu sempre as odiei, primeiro por serem feias, e segundo pelo fato de a minha mãe ter várias (iguais) e nunca nem se quer ter botado água em nenhuma. Mas naquele momento em que estava removendo as folhas ressecadas do chão, encontrei uma particularmente muito bonita. Eu nunca tinha visto algo de especial naquela planta, até ver aquela folha de outono.


 Claro, eu sempre vi o valor das árvores e flores, e nerd que sou entendo a vida que ali contém, assim como os animais. Quando eu era criança, ouvi em algum lugar, na escola ou na igreja, uma frase que até hoje o sangue me sobe à cabeça quando me lembro: “Os cães não têm alma, por isso eles não vão para céu”. Nossa, quiseram destruir meus sonhos de que quando morresse, encontraria com meus cachorros lá em cima – se um dia eu for lá pra cima xD. Pra mim, um cachorro tem mais alma do que muito "amigo" meu. Com exceção de Resident Evil, eu nunca vi um cachorro matar e esquartejar alguém – não contam os cachorros do Bruninho.
 Se o cão é agressivo, é por conta da maneira que o dono cuida. Por exemplo, meu cunhado, que enche o dele de paulada, e diz que cachorro é pra cuidar da casa. PORRA! Se quer alguém pra cuidar da casa, contrata um segurança, instala uma cerca elétrica, ou compra uma arma e reza pra Deus te dar sorte quando chegar a hora de você ser roubado – ou melhor, tenha fé, que ninguém irá roubar. Esse papo ae de “eu alimento o cachorro, dou um teto pra ele e o mínimo que pode fazer é vigiar a casa pra mim”. Ah, o caralho! PRA MIM, o cão é membro da família, é amigo, melhor amigo. Se você acha o contrário, comesse pensando um pouco melhor e não dê um nome à ele.

“As únicas criaturas evoluídas o bastante para sentir o amor, são os cachorros e as crianças”.
Johnny Depp

Agora voltando ao papo da planta:
 Esse meu momento limpando o quintal, e sem frescuras de me sujar com a terra ou o mato, fez bem, pois a última vez que eu me lembro de ter tido um contato realmente humano com o meu quintal, foi nas eleições de 2000, 7 anos de idade, que eu tinha ganhado de presente de aniversário um caminhão de brinquedo, e nele eu ficava colocando panfletos de candidatos falando que era um show de campanha [?] – pois é, talvez isso seja um sinal e eu realmente deva ser publicitário.

Então aí vai a dica:
Dê mais atenção para ao ecossistema e pare de ficar pensando em vida extraterrestre, pois a diversidade aqui já é bastante variada e talvez pela banalidade, as pessoas não se dão conta do quanto a criação é interessante. Do mesmo jeito que você ser humano ter nascido é um fato curioso, o mesmo serve para uma planta ou um animal.
E cuide bem do seu cachorro, pois só quando ele se vai que você percebe o quanto poderia ter aproveitado – não precisa ser todo sentimentalista como eu, é só não ter um coração de pedra.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

dια 25 ▫ Mais uma pro mural da esquisitice

Estava passando a limpo aqui o texto "Estilo não é Vestimenta", e por curiosidade fui pesquisar no dicionário quem é o tal de "Carlos Gardel" citado por Raul Seixas na música "Sociedade Alternativa", e – mais uma vez – aconteceu algo bizarro (pra mim):
eu abri o dicionário numa página e o primeiro nome que eu vi foi o de "Thomas Hobbes".
Quem foi Thomas Hobbes? O filosofo lá de Leviatã.
O que é isso? Então, o professor de filosofia tava ensinando HOJE, e por coincidência [?] eu abro o dicionário e a primeira coisa que eu olho foi o nome dele. Muito estranho.
Isso é um sinal. Um sinal de que eu devo prestar mais atenção nas aulas.


Hobbes, Thomas. (1588, Inglaterra-1679). Filosofo: Obras: Leviatã, etc.
Mini Aurélio Século XXI Escolar - 4ª edição - FNDE/PNLD 2002. Pag. 754

dια 25 ▫ Coisas Normais e Nojentas

Este texto que você vai ler me lembra de 2008, quando o post mais engraçado deste blog era aquele em que eu escrevi algo do tipo: “Abri a janela e cuspi uma bola de catarro verde em cima de uma formiga”. Bons tempos. Ainda me lembro como se fosse ontem... Bem, aquilo foi nojento, e não engraçado, mas as pessoas insistiam em dizer que aquele era o meu melhor post, até surgir o do Natal, que escrevi em meados de dezembro de 2009, e também o da mortadela, que pra mim não tinha nada em especial; agora o do Natal sim, que tive um certo trabalho e tive que forçar bastante pra escrever algo que entretesse – é, eu não sou bom com essas coisas 'como o Sali'.
Com base naquele texto, percebi que as pessoas gostam de ler coisas nojentas, ou pelo menos não ligam se lêem. Ta, eu não tô me importando com a opinião alheia, só estava com receio de falar sobre assuntos, digamos, delicados aqui, mas que no final das contas, é uma das coisas mais comuns do mundo – ou não.
O que quero dizer é: se eu falar sobre drogas, racismo, homossexualismo, dizer que faço cocô, que vomitei em mim mesmo quando estava de porre, que acordei de pau-duro certa manhã, ou coisas desse tipo em geral, acabo perdendo a credibilidade, mas se vocês pararem pra pensar, são coisas mais que normais, e todos somos seres humanos e iguais perante a Deus então, eu vou falar sobre o que eu quiser nessa porra e quem não gostar vai tomar no olho do cu – e se comentar xingando vai levar uma resposta pior ainda.


Ontem com todos aqueles meus testes de passar ovos no cabelo, e comer os que não deram certo, derivou em algo um tanto curioso.
Estava tomando banho e aproveitei o momento sem preocupações de melecar a mim ou ao chão, e comecei a assoar o nariz sem dó nem piedade, com tanta força que a minha orelha até chegava a zunar (existe essa palavra?). Comecei a achar estranho o fato de eu assoar, assoar, assoar e assoar mais, e (só mais uma vez xD) assoar, e não parar de sair catarro nunca; mas isso não foi nada grave; fiquei preocupado mesmo foi quando eu comecei a reparar NAS assoadas. O meu catarro tava saindo AMARELO, mas LITERALMENTE AMARELO. Não era branco, nem verde, nem azul ou cor de rosa, era amarelo, e amarelo mostarda ainda.
Na hora eu tive até um certo medo, pois era exatamente da cor da gema do ovo que outrora havia passado na cabeça, e achei meio impossível acontecer algo desse tipo. Já ouvi dizer em cheirar cocaína e descobrirem pelo cabelo, ou quando você bebe coca-cola e sai pelo nariz, mas o negócio entrar no couro-cabeludo e sair pelo naso é realmente ridículo!
Eu comecei a ficar realmente preocupado com isso, mas segundo a minha mãe é um processo natural (ela não falou com estas palavras, eu que tô enchendo a bola da velha), e até quis acreditar nela, ainda desconfiando, mas infelizmente, a coisa piorou. Hoje de tarde, já estava mais uma vez me sentindo incomodado com o maldito catarro pedindo pra sair, e escarrá-lo e cuspi-lo não estava adiantando de nada, então tive que ser corajoso e fui lá na pia e, mesmo com receio, tapei o buraco esquerdo do nariz e soltei tudo pelo direito. Saiu sangue – ou pelo menos eu quero acreditar que seja sangue, porque pela cor parecia ser algo bem pior, e não me pergunte o que, porque em toda minha vida nunca vi nada parecido antes.

Como sempre, pra tudo eu tenho uma teoria própria em que finjo ser realmente o problema para que as coisas sejam mais fáceis: pra mim, esse tanto de catarro que não pára de sair, seja amarelo ou vermelho, é todo o catarro da minha vida que estava guardado dentro de mim, e que agora junto com esta gripe e com os remédios que tomei, deve ter desencadeado algum tipo de reação que liberou essa porra toda.
Mas claro que não da pra viver achando que tudo é mil maravilhas. Também pensei nos contras, as teorias de possíveis coisas ruins que (provavelmente) possam ser isso:
Talvez pela cor amarelada e pela grossura, isto que está sendo expelido de mim são pedaços do meu pulmão; ou o pulmão é mesmo verde? – o pulmão é verde, não é O_o? ou seria branco? só sei que os pulmões de John Constantine são pretos. e só sei também (o que descobri não faz muito tempo) que os pulmões ficam nas costas.
-
Talvez seja porque deixei de tomar uma vacina ae com 15 anos de idade.
Mas não descarto a possibilidade de que sejam problemas causados por toda a quantidade de drogas que ingeri ao longo destes anos.
-
Um dias destes comecei a cuspir sangue, e ingênuo que sou, mais uma vez inventei uma de minhas teorias, e desta vez pensei (e quase cheguei a acreditar) que era um vampiro – era uma época que todo dia eu tomava suco de uva e meus lábios ficavam roxos e bonitos.

2010 pelo que tudo indica tem sido um final ou inicio de década amaldiçoado.
• Comecei me acidentando NO PRIMEIRO DIA DO ANO tentando subir pela primeira vez na vida em uma prancha de surf com o Rodrigo Ramos num dia chuvoso na praia de frente pra casa do meu pai. Quando TENTEI montar na prancha, ela virou com uma força desgraçada e bateu certeira no meu nariz que de imediato começou a sangrar, e até hoje ainda dói se eu apertar aquele ossinho em cima. Por sorte não quebrou (eu acho).
• Tive a primeira – e acredito que a pior – ressaca da minha vida, junto com uma bebedeira desgraçada que me fez pagar um mico da porra na cidade. Ainda bem que o álcool fez com que não me preocupasse muito; só uns dias depois em que tinha passado em frente a uma barraca e vi um cara que me vendeu uma munhequeira rindo da minha cara.
• Fiquei com uma feia magricela e uma gorda pé no saco por falta de opção, e hoje mais uma vez estou há quase 2 meses sem pegar ninguém. Mas também prometi para mim mesmo nunca mais chegar nem perto de baranga.
• Arrumei briga na escola com uns funkeiros arrombados, e depois tive que ser transferido para o meu antigo colégio para não morrer assassinado.
• Em menos de 300 dias eu já fiquei rouco (se não me engano) 3 vezes, gripado 5, senti estranhas pontadas na barriga, inúmeros momentos depressivos por causa de mulheres e sem contar também aquelas dores de cabeça uns dias atrás.

É, amigos, não adianta ficar criando esperanças... No final das contas, é só a morte chegando.
E como diria Dumbleodore: “Pra quem já viveu o bastante, morrer é apenas o próximo passo”.
E como diria um drogado que vi num filme certa vez: “Viva pouco, mas viva intensamente”.


PS: Acabei de ler o antigo texto do catarro e fico impressionado como eu era ingênuo.
Porém escrevia melhor naquela época. Melhor entre aspas.
Como que pôde o meu vocabulário regredir? Acho que nunca serei um escritor =/

dια 25 ▫ Sem Créditos

Hoje aconteceu uma coisa muito estranha.

Ta, ta, eu sei que sempre que eu falo nos posts sobre coisas estranhas, nunca digo nada realmente estranho de fato, mas hoje aconteceu mesmo.

 Mais cedo recebi um SMS de uma amiga minha, perguntando se eu queria ir pro Hopi Hari [?]. Infelizmente eu não podia responder, pois meu celular já ta sem credito faz uns... Pra falar verdade, eu nem sei se ele já teve credito algum dia.
 Agora pouco, estava na cozinha preparando um Nescau e enquanto mexia a colher no copo, fiquei pensando... "nela"; uma garota, sabe... ou A garota. Enfim. Pensei em telefonar pra ela, porque tô sem internet em casa no momento, e a lanhouse fica longe daqui (a lanhouse barata) e, mesmo assim não adiantaria, pois estou sem dinheiro; ligar então, muito menos, pois como disse, estou sem créditos, e além do meu telefone não fazer interurbano (maldita paixão virtual! e ainda por cima platônica), a minha mãe o tranca no quarto dela – daí o motivo de estar sem internet temporariamente, até fim de semana (pois é, vida de viciado é jogo duro).

Bla bla bla e mais bla bla bla e o que foi que aconteceu de estranho?
Bem, no EXATO momento em que eu estava pensando na idéia de telefonar para essa pessoa, o telefone toca aqui em casa.
E o que é mais sinistro ainda, foi eu ter ido pro meu quarto com o copo de achocolatado na mão pra terminar uma capa de DVD aqui no computador, o telefone parar de tocar e eu receber outro SMS, no mesmo instante em que sento a bunda na cadeira.
O que estava escrito na mensagem?

E pra quem não acredita, aí vai outra foto, com a data do envio e a hora:

Mas não adianta muito postar essa segunda foto, porque eu poderia estar inventando de qualquer jeito, mas se você é leitor deste humilde blog e me conhece, sabe que eu não minto.

Acho que vou usar destes poderes sobrenaturais que eu tenho – e eu nem duvido mais que tenha mesmo – para ver se andando pela rua eu não tropeço em uma máquina digital ou um celular com câmera integrada – ou talvez ganhar num sorteio, pois assim ninguém sai no preju – porque ficar duas horas tentando tirar foto por essa merda de webcam não róla.


Obs:
Quando estava relendo e passando o texto a limpo, o telefone tocou mais uma vez.
Aí fica a duvida: quem será que está ligando?

dια 25 ▫ Malditos Penislongos

Fui no banheiro e vi 3 pernilongos, em fileira, juntos e com a pança cheia de – possivelmente meu – sangue e não pensei duas vezes: aguardei uns segundos e prendi a respiração, olhando atentamente para eles e, com a maior velocidade que pude atingir dei um tapa na porta do box (onde os pernilongos estavam), mas não acertei, porque eles saíram voando um para cada lado.
O pior é que foi uma cena engraçada, pois neste exato momento estou usando uma faixa na cabeça e, não sei por que isso me lembrou Karate Kid – o VERDADEIRO Karate Kid, e não aquele com o pivetinho filho do Will Smith.

E foi bom não ter usado tanta força, porque uns tempos atrás estava tomando banho, e não tinha completado nem duas horas ainda no chuveiro e minha mãe ficou gritando pra mim sair; e gritou, gritou e gritou mais sem parar, e com raiva dei um soco na janela, que é feita do mesmo material que o box, e na mesma hora – ainda me pergunto como – o vidro quebrou em vários pedaços – e de castigo a minha mão ficou sangrando. #NovelaModeOn

Agora, por favor, só não me perguntem o que estou fazendo com isso na testa.

dια 25 ▫ Estilo não é Vestimenta

 Hoje voltando da escola eu vi um amigo da minha mãe parado em uma loja, e o cumprimentei e continuei andando e, nem uma quadra depois ele passou ao meu lado de bicicleta, e falou algo do tipo: "Xablugi", e sem entender porra nenhuma, respondi com um sorriso e resmunguei: "Opa!", mas fiquei encafufado tentando decifrar o que ele tinha dito, e percebi que era: "Ta com frio, véio?".
 Eu não entendo! Só porque estava de camisa, aquela nova xadrez de flanela, que nem era um casaco, o cara veio falar isso. Como disse o Leonardo: eu, ele e o Wesley somos os estranhos da escola, que andam com tudo coberto; seja por uma jaqueta de frio ou uma touca na cabeça, e tudo sempre na cor preta – pelo menos na maioria das vezes pra mim, e pro Leonardo.
 Mas mesmo estando de touca, camisa ou casaco em um dia calorento – pois ao chegar em casa e tirar a touca o suor escorreu pela minha testa –, não é um motivo para se contestar.
 As pessoas de hoje em dia, ou de sempre, que seja: "as pessoas", estão acostumadas com o mundo de uma maneira bacaba e imbecil, e gostam de manter certos padrões que deveriam ser cumpridos de forma exata como se fosse uma regra. E se eu quiser entrar de calças na piscina? Ou sair com a minha tanga de oncinha em um dia que estiver nevando? – isso é, se nevasse aqui, pois como disse uma vez: os nossos presidentes não se preocuparam em comprar neve para o nosso país.

Frio: Touca ou gorro, casaco, cachecol e calça (calçaS dependendo da gravidade deste frio).
Calor: Bermuda, regata e bonézinho pra tapar o sol.
NÃO! Chega desses padrões de merda! Como diria minha melhor amiga: Foda-se o sistema!

 Em uma daquelas vezes em que fui com o Rodrigo dar umas voltas a noite no Centro de Mongaguá, andando na ponte da avenida da praia um funkeiro (só podia ser funkeiro) tirou um sarrinho do Rodrigo, que estava com meu WayFarer: “Nossa, ta um calor hoje!”. E o mais ridículo foi que a gente ouviu isso mais umas três vezes.
 Então quer dizer que agora só se pode usar óculos de manhã e em dias em que os raios ultra-violetas estão fodendo com teus olhos? Ha... vai pra puta que pariu!


Ficar reclamando aqui não vai adiantar em nada, porque em séculos os costumes e as atitudes das pessoas não mudaram, e acredito que nunca iram mudar.
Agora, vocês poderiam pensar mais racionalmente, com atenção, antes de ficar falando merda por aí.
-
Como diria Raulzito: “Se eu quero, e você quer, tomar banho, de chapeu, ou esperar, Papai Noel, ou discutir, Carlos Gardel então vá! Faça o que tu queres pois é tudo da lei. Da lei! - Viva! Viva! Viva a sociedade alternativa!”

E só mais uma coisa: Não use calças coloridas – pelo menos se você for homem.

sábado, 21 de agosto de 2010

dια 21 ▫

Sabe o que não é legal?
Sentir uma puta dor na sua cabeça, na região da testa, com uma pensamento de que talvez seja um tumor gigantesco ou algo do tipo, e sentir-se preocupado de verdade com isto.
-
Agora sabe o que é legal?
Você contar tudo isso pra sua mãe e ela achar engraçado.

Se eu morrer, botem a culpa na minha mãe.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

dια 11 ▫ Bienal do Livro

 Estava em casa ouvindo Reação em Cadeia num volume agradável, e decidi então fazer um favor para mamãe e fui lavar a pilha de louça que tinha na pia. Comecei com os básicos: pratos, copos, talheres e etc. Deixei as panelas de lado, pois eu não sei lavar panela suja e muito menos tava com vontade, e então fui encarar o que havia deixado por último, um verdadeiro desafio: a travessa da lasanha – mesma lasanha essa que me fez engordar uns 10kg no Dia dos Pais, junto com um bolo de cenoura e um sorvete/pudim-gelado de chocolate.
 Então peguei aquela coisa nojenta toda encrostada de lasanha – é, eu não sei porque tenho nojo de lavar louça sendo que eu estou apenas removendo A MESMA COISA QUE EU COMI xD. Já estava na 5ª ou 6ª vez em que passava a esponjinha tentando desgrudar a meleca do vidro quando ouvi uma voz me chamando, e achei estranho, pois ninguém não me chama em casa desde que eu tinha uns... 9 anos, ou menos. Aumentei o volume do som para poder escutar da calçada e fui lá averiguar.
 Cheguei no portão e me deparei com o Felipe junto com a sua cara de pamonha-nordestina, todo feliz por me ver (hoeaohiea zoa), e com uma barba igualzinha a que eu estava carregando no rosto há um mês até hoje de manhã.
― Eae. Firmeza?
― Firmão, mano. “Oi, como vai você?”
― Haha. “Eu vou bem, obrigado”.
― E essa barba ae? Se eu não tivesse tirado a minha hoje a gente tava igual!
― Pow, to deixando crescer pra ver se da chato. Ae, vamo na Bienal do Livro?
― Cóe, vamo sim! Quando que é, brow?
― É nesse sábado. Meu pai vai levar a gente e depois a gente volta de Breda.
― Mas quanto que é pra entrar lá?
― Acho que é R$ 10,00.
― Ih, mas sei não, to sem grana.
― Ah, mas qualquer coisa a gente da um jeito ae...
― Eu vou ver... Meu cunhado ta me devendo R$20,00; eu posso ver com ele. Mas e a condução?
― Acho que é uns 25 mango a passagem de volta no Breda.
― Será? A passagem pra SBC é R$ 17,00! – só não me pergunta como eu sei disso.
― Ah, então deve ser mais barato. Mas qualquer coisa eu intero pra você.
― Ah, beleza... Então vou ver se descolo os 20, daí a gente vai.
 Depois ficamos conversando sobre coisas estranhas, das quais ainda bem que não me lembro, entre videologs ou vlogs ou a mesma coisa as duas coisas entre outros.

 Voltei pra dentro de casa, abaixei o som e continuei tentando lavar a travessa da lasanha, pensando em como poderia ser legal essa tal de Bienal do Livro, que se não me engano, no fundo da mente me vaga algo familiar que com certeza já vi ou ouvi em algum lugar antes.
 Enquanto as horas foram se passando, fiquei aproveitando a minha vagabundice alternando entre o computador e a televisão, até que ouço uma voz feminina me chamando – opa, duas vezes em um só dia, depois de muito tempo, e ainda mulher!
 Novamente fui até o portão, e dessa vez era minha querida amiga de infância, Gabriella. Tinha ido chamar ela mais cedo só que, para minha surpresa, continuo sendo o único vagabundo da minha rua, pois fui avisado pela mãe dela que desde ontem ela estava trabalhando, e só iria voltar por volta das 20h – coisa linda, não?! Então ficamos conversando um bocado sobre música e filmes, e falando em filmes, resolvi tomar uma atitude contrária a do meu amiguinho Felipe, citado aí em cima, que pegou uns filmes pornô meu há uns 2 anos ou mais, e até hoje nunca devolveu; mas eu ligeiro que sou, como troca dominei a HQ rara que só ele (que eu saiba) num raio de 1000km tem: Super-Homem & Homem-Aranha DC e Marvel, bizarro, I know.
 Ao devolver os filmes, perguntei para ela se poderia ficar com o "The Spirit" – que é um filme muuitoo boom! – por mais uns dias, para assistir pela terceira vez, e a minha mandinga sacana deu certo, pois ela acabou dizendo que não gostava do filme, e que poderia ficar comigo. Troca justa, pois eu também havia emprestado pra ela um filme chatinho e depois para passar a bola disse que podia pegar.

Enfim, mais uma vez naquela demora pra escrever, e não sei como terminar o texto – de novo.


Texto iniciado: 14/08/2010 09h06m - Texto terminado: 18/08/2010 20h49m
Data dos fatos: 11/08/2010 - Postado: 18/09/2010 01h18m

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

dια 05 ▫ Rotina, Infância e Personalidade

 Hoje mais uma vez de novo eu fui ao mercado do meu bairro, próximo a minha rua, e que seria mais próximo ainda se não fosse de frente pra avenida ao lado.
 Quando cheguei lá, fiquei muito feliz e todo assanhadinho, e adivinhem por quê? Porquê eu vi a minha vizinha gostosa! A garota mais linda que eu já vi nesse bairro, mesma garota essa que eu venho contemplando desde a minha obesa infância, até mesmo antes da puberdade – certa puberdade e certa garota que tiveram muita coisa em comum logo no inicio ('brinks). Há tempos eu não via ela, por isso o motivo de tal felicidade. Eu ficava contente só de olhar pra ela – infelizmente, só olhar (olhar = sonhar, babar, se deliciar e outras coisas legais). Mas, mais uma vez, a minha aparência não estava muito... apresentável, ou não, sei lá! Só tirando o fato que eu fui pro mercado de calça de moletom, camiseta da Tricolor Foto e Vídeo e por cima uma camisa de flanela xadrez preta e as unhas do pé grande...

 Na minha rua acho que não da pra fazer uma lista com mais de 3 garotas comíveis, exceto as coroas, que dava pra descolar uma grana em troca, mas tomando todo cuidado com seus maridos cachaceiros e seus filhos usuários/traficantes de drogas.

 Mais tarde iria na 18º Feira de Fotografia, a Photo Image Brazil, em São Paulo ou São Bernardo do Campo, sei lá, e a minha irmã veio aqui em casa, sete e quarenta da manhã aproximadamente, pra levar eu e minha mãe pra Mongaguá, pra de lá nos reunirmos com o grupo e vazar, só que ela QUE NEM TINHA ME AVISADO disse pra mim separar umas fotos para fazer um clipe de Dia dos Pais para o meu pai, dizendo que todo mundo (todo mundo porque meu pai tem uns montes de filhos) já tinha separado as fotos, menos eu.
 Aff, uma coisa é você falar “Eu to pensando em fazer um clipe de fotos pro pai” e outra é “Separa pra mim algumas fotos com antecedência pro clipe do pai”; enfim, ela não disse a segunda opção.
 Moral da história: ela chega aqui e pede pra mim separar as fotos (ainda jogando a culpa em cima de mim), e fazer isso requer uma certa calma, paciência e tempo livre. Então fui lá, verificando as pastas de fotos desde 2005 até as de 2010, e enquanto separava, as estressadas entraram no carro, ficaram buzinando lá fora, e com raivinha foram embora.
 Agora eu poderia usar meu ódio e meu belo orgulho pra jogar fora a merda das fotos que eu separei, não ir mais pra essa Feira do caralho – e eu não vou mais mesmo –, e quando meu pai me perguntar o porquê, eu direi: “Porque a Laura pediu pra mim separar umas fotos para fazer um clipe de Dia dos Pais para o senhor, só que ficou me apressando e quando eu já tava terminando, ela ficou estressadinha e foi embora. Agora eu to com raiva e não quero mais ir pra porra nenhuma”.
 Seria tão legal né? Seria diabólico, e diabólico mesmo, porque eu to com o capeta dentro do corpo, atiçado, e com um ódio vindo direto do inferno coçando meu dedo pra mim fazer isso. E eu não me importo com que os outros vão achar, e como vão ficar. Desde a infância eu sou assim, faço essas coisas por orgulho, puro ódio, e nunca me arrependo; eu posso ficar brigado com a pessoa por mais de um ano, e eu quero é que se foda. Sabe como é quando você faz uma gracinha/brincadeira com um amigo seu, e ele fica puto ou chateado, daí vocês param de se falar ou etc? É quase isso, só que mais perverso neste caso. Que nem diria Rafinha Bastos: “Eu prefiro perder o amigo do que a piada”.
 Mas não são só as minhas atitudes lindas e perfeitas que vieram da infância, tem também o 'voltar atrás'. Poucas foram as vezes que eu passei por cima do meu orgulho, POUCAS, e SÓ UMA delas eu não hesitei, pelo menos não muito, mas não vou falar 'o que' ou sobre 'quem' tem a ver, pois não quero que esse texto vá para os marcadores de Amor, Sentimentos e Poesias.

PS¹: Queria saber o que aconteceu com a minha boca nessa foto.
PS²: Eu gosto de PSs
PS³: Porque PSs são legais.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

dια 29 ▫ Garota(s), eu não a(s) amarei!

“O amor é uma flor roxa que nasce nos corações dos trouxas”.

As pessoas vivem em um mundo de fantasia criado por suas mentes em que elas acham que
o QUERER é PODER, ou que o que elas querem irá ACONTECER.
NÃO! NUNCA VAI ROLAR! DESISTA!
-
A vida não se baseia em sentimentos.
Eu sou um ser humano, e não seu príncipe-encantando.
Gosto do superficial. Ou seja: eu não ligo para a tal da 'beleza interior'.
Existe alguma forma de botar na sua cabeça, educadamente, sem ferir os teus sentimentos, que
V-O-C-Ê N-Ã-O F-A-Z O M-E-U T-I-P-O ? Cai fora!

Agressivo? Desculpe, eu AGORA sou assim.
Não me importo mais com o meu coração, quanto mais o de outra pessoa.
Ainda acho que “melhor ser um estúpido cafajeste, do que um patético romântico”.

As pessoas me criticam junto com uma porção de xingamentos,
pois eu não me importo com aquelas que DIZEM, ou ACHAM que me amam.
-
Vocês não fazem idéia do que é o amor!
Eu NUNCA dei um motivo concreto para me amar, então não venha me dizer "eu te amo".
VOCÊ NÃO ME AMA, e daqui a um mês você vai perceber isso, pois amor de verdade não acaba.
E infelizmente eu digo isso por experiência. É, experiência.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

dια 26 ▫ Família Pinto

ATENÇÃO: Garotas e mulheres, travestis e veados ou afeminados no sentido geral, e os demais menores de 18 anos de idade, por favor, retirem-se do ambiente.

Um dia desses ae... eu vi uma imagem... que 'um amigo meu' fez... zoando uma família no The Sims, com um sobrenome um tanto diferente, e uma biografia totalmente esculhambada.

Peço para aqueles mais puritanos que não prossigam a leitura, pois a imagem a seguir pode causar revolta e-- AH, que se foda! MÁ OE! RARAE, RIRI!
Eu vos lhe apresento, a Família Pinto:



SAUHUHSAUHASUHSAUHSAUHASUHASUHASHUASHUASUHASUHASUHAS xD :/

terça-feira, 27 de julho de 2010

quinta-feira, 22 de julho de 2010

dια 22 ▫ Desafio WebDings

Um dia desses ae eu vi no Scrap MTV um site em que o cara cria enigmas usando fontes do tipo WebDings para desafiar os internautas a descobrirem qual o filme que as 'letras' representavam, e achei bem interessante e resolvi fazer um também, com um filme que eu gosto bastante:



O desafio está lançado, e obviamente, bem fácil também.
Agora quero ver quem acerta primeiro!



VENCEDOR: Natália
A caveira representa a maldição, e o timão o Pérola.
(25/07/2010 21h50m)

terça-feira, 20 de julho de 2010

dια 20 ▫ Nathalie Fay

Much more than 'The Hangover Girl'.

 Dia 10 de junho de 2010, estava eu na Tricolor Foto e Vídeo sentado olhando para o computador, sem absolutamente nada para fazer, quando encontrei em uma gaveta de uma das mesas um filme: The Hangover (Se Beber, Não Case). Como todo mundo fala bem deste filme, decidi então colocá-lo no leitor de DVD do mesmo computador em que estava para assistir.
 Tudo estava lindo e maravilhoso (exceto eu), até o momento em que surgiu a melhor cena do filme: o checking in no Caesars Palace:



Nathalie Fay; a atendente Lisa; a mulher mais linda dessa pequena bola de água e terra com os dias contados que vocês meros seres humanos chamam de "Planeta".

Quando eu bati os olhos nela, meu coração pulsou tão fortemente quanto da última vez que havia pulsado tão forte antes. Sem dúvidas foi amor à primeira vista.
Ela me fisgou com todo esse seu charme e simpatia, com esse jeito meigo e que, eu posso apostar, não fazia parte do personagem.
-
Cada vez que eu tento falar algo, buscar belas palavras e montar frases bonitas, me distraio na profundeza de seu olhar divino – nesta foto aí de cima.
-
Nathalie, você com certeza não deve estar lendo isso, mas eu acho que eu te amo.
Sei que "amor" é algo muito forte para se dizer diante de uma coisa repentina,
mas ao mesmo tempo foi algo tão simples que causou uma grande mudança dentro de mim.


Por que o mundo é injusto?
Fui me apaixonar por uma gringa que fez um filme, mas nem é famosa.
Brasileiro é foda! Amor platônico por uma figurante é o extremo da tensite.

Já joguei no Google, mas não encontrei algo que me levasse até ela.
Nem Twitter, nem MySpace, nem WikiPédia, FaceBook... nada!
Mas eu sou brasileiro, e não desisto nunca! – infelizmente... "eu sou brasileiro" =/



© Cenas "The Hangover": 2009 Warner Bros. Entertainment Inc.
Montagem Nathalie Fay: Raul Izar. Imagens encontradas em sites de pesquisa.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

dια 10 ▫ Apenas um beijo, Ficantes e Namoradas

 Ontem eu estava em uma festa de aniversário de uma colega minha, não muito animado, pois não costumo ser um cara extrovertido quando estou 101% sóbrio, porém, estava feliz.
 Fiquei lá fora com uma amiga minha, amigona mesmo, e tava meio que frio, e nós dois ficamos abraçados encostados em um carro, o que para outras pessoas imbecis e idiotas poderia parecer um romance, dois namorados ou um 'casal temporário', até que veio uma amiga de uma garota com quem tinha beijado umas duas vezes e pediu pra conversar comigo:
— Você não tava ficando com a [nome da amiga dela]?
— "Não"? — respondi
— Certeza? — perguntou, só que dessa vez não em tom de sarcasmo, e sim de raiva
— "Ficando" não, e eu também não to ficando com a [nome da garota comigo], a gente é amigo--
e já estava respondendo como se devesse satisfações para essa babaca, até que a minha amiga foi abrir a boca pra falar, e antes que saísse algum som, a garota estúpida a interrompeu: “Eu to falando com ele. Então você não ta ficando com ela? Vagabundo é assim mesmo” e saiu andando enquanto dizia indiretamente as palavras sublinhadas.
 Eu fiquei com uma cara de raiva, e talvez por essa garota que eu "fiquei" duas vezes ter um papel importante na festa, eu já estava com vontade de ir embora com um sentimento de culpa, até que me esbarrei com ela e percebi que ela não tava dando a mínima ou não – ou talvez não tenha percebido – se eu estava beijando outra.

 Primeiro: eu não entendo essa mina que veio me agredir, porque antes mesmo disso ela – e outro perdedor da minha antiga escola – falou pro mundo inteiro que não gosta de mim e que não vai com a minha cara ‘porque eu sou metido’, outra coisa que também não da pra entender; e segundo: pra que ela foi tomar as dores – que nem mesmo existiam – da amiga dela? Segundo uma garota que conheci nesta mesma festa, ela deve ser apaixonada por mim ('haha), o que na minha opinião não convém e nem faz sentido, o que é realmente uma pena, pois tirando a sua imaturidade, ela é daquele tipo gata, muito bonita, linda mesmo, mas enfim...
 Acho que devo a minha continuidade na festa à minha amiga Aléxia e sua amiga Priscila, que me consolaram me animando e conversando comigo pelo resto da noite, após a minha amiga com quem estava abraçado ter ido embora, e também pela aniversariante, o que teria sido uma mancada ter ido embora no começo da festa e antes dos parabéns – ou não.

Eu realmente não compreendo a cabeça das garotas! Ou melhor, compreender eu compreendo, o triste é não saber o que leva elas a pensarem de maneira tão ridícula. Eu passei a minha infância inteira acreditando naquela baboseira de que “as meninas amadurecem antes que os meninos”, mentalmente falando, e tive que chegar na adolescência no meu ápice de psicologia reprimida pra poder ver CLARAMENTE que isso é mito. Tudo bem neste caso, pois tenho 17 anos, e a desprezível lá de cima 15 ou 14, mas não convém, pois até mesmo garotas mais velhas do que eu tem uma maneira de pensar tão infantil!... Não quero ficar fazendo um post sobre os pontos em que as mulheres ACHAM que estão por cima dos homens, pois ganharia MUITAS linhas aqui, e ainda ficaria com fama de machista, o que não sou, mas enfim, tudo que preciso dizer já está estampado nos filmes e novelas que vocês assistem.
POR QUE elas tem essa coisa de achar que quando o cara BEIJOU ela ele está NAMORANDO com ela? NÃO! “Eu BEIJEI você, não estou FICANDO com você, anta”. Isso já aconteceu comigo várias vezes, e olha que não sou um cara muito bem resolvido com mulheres: uma em 2008, em que eu fiquei com uma garota na quinta-feira, dia dos namorados, e na segunda eu fiquei com outra, o que rolou um quase barraco na escola, pois a da quinta tava achando que nós dois estávamos ficando, e que a outra tinha ido lá furar o olho dela; agora no começo do ano, uma amiga minha que eu só ficava de vez em quando, o que eu não deveria ter feito, pois ela era apaixonada por mim, e que depois descobriram que eu tinha ficado com outra, e uma amiga dela veio falar merda pra mim; e também essa 'outra' que acabei de dizer, que mesmo deixando BEM claro – já por experiência – que nós dois não estávamos ficando; só que o problema não era ela, e sim as pessoas da escola que chegavam em mim perguntando se éramos namorados, sendo que eu só beijei ela duas vezes (também).

Elas tem que entender: Ficar não é namorar e um beijo não é uma aliança de compromisso.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

dια 01 ▫ Vampiros

Todo mundo sabe que a onda da vez é a vampiragem. Com essa modinha de Crepúsculo, falar sobre vampiros se tornou algo mais que comum hoje em dia.

 Depois do primeiro filme ter sido lançado, a garotada foi toda ao cinema, uns dizendo que por ter lido o livro, outros dizem que pelo romance, outros já falam que é por causa do Robert Pattinson, mas na real, ninguém era fã dele quando fez o papel do Cedrico em Harry Potter And The Goblet Of Fire; e aposto que muitas dessas "fãs" nem lembravam/sabiam deste personagem antes de TwiLight.

Duvido que 10% das pessoas/garotas que lêem ou assistem esta saga sejam realmente fãs de vampiros.
Como uma amiga minha disse, “o vampirismo é mais conseqüência; o foco mesmo é o romantismo”.
PRA MIM, muitos não gostam por nenhum dos motivos citados acima, e só se dizem fãs por causa do modismo.

 Eu assisti os dois primeiros filmes e, na minha opinião, as cenas românticas e dramáticas são muitooo chatas e entediantes; tanto que eu só fui gostar mesmo do Lua Nova, por falar mais sobre vampiros, sua leis e blábláblá.

Nem adianta vir aqui dizer: “Ah, mais você queria o quê? É uma estória de uma garota que se apaixona. O livro é assim. Claro que ia ser um romance”.
Affe! Se quisessem passar somente isso nos filmes, nem teriam feito, pois acredito que eles queriam atingir um publico que gostasse da ficção da coisa, que DEVERIA ser o motivo, mas como eu disse, eu não sei o que leva a meninada a gostar tanto assim.

No fim das contas devem ser mesmo os galãs.


Antes disso tudo, eu já tinha lido um livro que me emprestaram; aquele lá, conhecido pra caramba... (pelo menos pra quem não viu vampiros pela primeira vez na vida em TwiLight): Drácula, de Bram Stoker. Ta, talvez eu esteja apelando, mas tem coisa mais legal do que descobrir o vampirismo lendo Drácula?! E depois de ter lido, ainda aluguei o filme, que apesar de chatinho e bizarro, é bem massa também, e conta com Keanu Reeves {Matrix, Constantine e O Dia em que a Terra Parou}, Winona Ryder {Edward Mãos de Tesoura e A Herança do Mr. Dids} e Gary Oldman {Sirius Black, HP 3, 4 e 5; Comissário Gordon, Batman Begins e The Dark Knight (O Cavaleiro das Trevas)} como protagonista: O Drácula x) – desculpem, é que tive que citar alguns filmes porque a geração atual não faz idéia de quem sejam estes atores :/.

Antes que comecem a pensar que sou um daqueles caras chatos que vivem do passado e não dão uma chance para as produções recentes, vou comentar algo que eu realmente estou gostando: The Vampire Diaries – que até citei aqui quando tinha começado à assistir.
Cara, é uma série realmente muito boa! Minha prima Gisele e meu primo/tio Daniel que me indicaram, e é algo tipo assim... muito foda!

Não queria fazer essa comparação, para depois não ser criticado, mas que seja!:
Cada episódio tem aquela coisa meio LOST, que quando acaba você já fica ansiosão para assistir o próximo. E como eu disse uma vez pra uma amiga minha, a série não se prende apenas em um assunto; rolam vários mistérios diferentes a cada novo episódio. Mas é claro que como todo seriado, a temporada tem um objetivo.
No começo lembra bastante Crepúsculo: Garoto bonitão chegando na escola de RayBan; as pirainhas todas voltadas ao sexyappeal dele; vampiros que não se alimentam de 'human blood'... Mas depois do terceiro episódio a coisa começa a ficar boa, e quando chega ao décimo que o bicho pega fogo.

Aproveitando o momento para dizer que o que da mais ênfase a tudo é o irmão malvado do protagonista Stefan, interpretado pelo ator Ian Somerhalder, que conseguiu construir um ser indescritível!: Damon Salvatore.

Esse é O personagem. Começa com umas aparições misteriosas, botando medo, e depois ao decorrer da série, vai se mostrando coração mole, mas sem perder a tenebrosidade, e nem o orgulho, que ainda sim o fez matar a maioria dos figurantes contratados.
Não tenho muito o que falar sobre, pois é algo que só vendo, e como não tenho o intelecto do Pedro Bial para conseguir descrever as coisas tão facilmente, apenas recomendo que você assista a série.


Agora, vamos acabar logo com o post:
Não resisti e acabei entrando na onda, e como bom admirador de vampirescagentices,
me tornei um vampiro:

'HUEAUHEHAHOEA eu adoro ser tosco *.*

E também disponível em GIF e Emoticon para seu MSN Messenger -q:

quarta-feira, 30 de junho de 2010

dια 30 ▫ Ta legal, eu confesso!

Tenho uma coisa a confessar para vocês.

Todo mundo gosta de certas coisas, e tem vergonha de admitir, e eu to aqui hoje com a cara e a coragem para esclarecer algumas da minha parte:
Eu não gosto de Floribela, eu odeio Rebelde, Cine, Restart e afins, MAS, acho muito maneiro e interessante High School Musical :X.
É um filme... muito... legal, sabe?! Quando eu assisti pela primeira vez, cheguei até a pensar que seria o Grease dos dias de hoje.

Depois de HSM eu passei à ir mais com a cara da Vanessa Hudgens... Quer dizer, BEM depois:


E o Zac Efron, então?! Não, eu não vou com a cara dele por causa de High School Musical, apesar de no segundo filme ele estar gatchenho e panz *zoa. Na verdade eu passei a gostar dele depois de 17 Again (17 Outra Vez), que é o filme mais imprevisível que já assisti na vida; e também pois ele é um carinha simpático, mó estilo, e ta sempre lá 'contribuindo' com a MTV dos States.


Pra quem não sabe, o tema da minha festa de aniversário de 16 anos foi High School Musical 3, e se não tão botando fé, aí vai uma foto:

*Brinks, esse aí é o niver de 10 anos da minha irmã mais nova xD


Outra coisa também que eu gosto bastante e ninguém tem atitude de dizer que gosta também, é de BackStreet Boys. Os caras são geniais, #manolo! Fazem umas dancinhas iradas e tal...
Vou até acabar o post com uma música sumpimpinha deles, Incomplete:




...

terça-feira, 29 de junho de 2010

dια 29 ▫ Conversando com Deus

Eu sei que o senhor escreve certo por linhas tortas, mas cara...


Pare de me enviar sinais! Pare de me fazer pensar nela!
E quando eu estiver pensando, pare de fazer com que o relógio mostre números iguais,
com que ela apareça no EXATO segundo em que a falta me consome,
de botar esperanças aqui dentro de uma coisa que NUNCA irá acontecer.

Eu não a quero! – ta bom, talvez queira, mas que se dane!
Ela não dá a mínima pra mim; nunca nem se quer sentirá nada por mim,
por mais misero que seja, comparado ao que sinto por ela.


Desculpe conversar – ou discutir – com vossa excelência de maneira tão chula,
usando um vocabulário indigno de tamanha grandeza, Deus.
Creio em ti, e se você existe e entende a cabeça de todos nós,
sabe que assim sou eu e que não tento ofendê-lo.

Eu deveria é lhe agradecer todas as noites antes de dormir pelo corpo quase perfeito e não tão saudável que me déstes, mas o senhor sabe que sou grato por tudo isso e mais um pouco. Porém, sinto-me no direito de reclamar contigo por cada vez em que brinca comigo, um de seus filhos, de maneira tão baixa:
-
Tantas e tantos em sua criação! Por que logo eu devo ser um daqueles infortunados merecedores de sentir amor por uma maldita fêmea?

Estou tão angustiado e tão apaixonado que, nem coragem tenho de pedir para que separe tal sentimento de minha pobre alma inútil, oh, Pai.
-
Esse amor é tão forte! Não consigo encontrar um jeito de me livrar dele, pois no fundo eu sei que apenas quero apreciá-lo da maneira correta.


Por favor, Deus, só espero que realmente saiba o que está fazendo.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

dια 17 ▫ Felix Felicis

Acho que alguém jogou Felix Felicius no meu Nescau hoje de manhã Acabei de ir ao Mercado – aquele que eu vivo reclamando da mortadela e fui direto pra sessão de pães e frios, e apenas nela, pois tava morrendo de fome. Fui me aproximando da fila e vi uma mulher bem da gostosinha na minha frente. Fiz um mega esforço pra não secar ela e nem olhar diretamente nos olhos, o que pode ter sido ruim, porque talvez ela tivesse me dado mole se eu estivesse jogando meu sensualseduction (ha, falô! 'kk). Até tive a impressão de ela ter me dado uma olhada, mas sei lá, eu não estava me sentido muito confortável, vestido com uma bermuda preta toda desbotada que comprei pro natal de 2005, uma camiseta azul claro toda apertada, pois foi me dada em 2000 (segundo minha mãe) e um casaco que não importa a data, e sim o "R" que um dia fiz com uma caneta retroprojetora permanente na casa da minha amiga Gabriella. Quando chegou minha vez, pedi 6 médias para a garota – sim, eu como bastante – e fiquei esperando em quanto passava o olho pela vitrine de pães-doces até chegar nas mortadelas. Levei um susto, e fiquei realmente muito espantando. A mortadela tava fatiadainha, vermelha como sangue! Eu não resisti, e quando a atendente veio com o saco de pão pra mim eu perguntei: “Quê marca de mortadela é essa?” e ela: “É Marba”. Eu agradeci e saí meio chocado indo em direção ao caixa, mas fiquei mais espantando ainda foi ao chegar lá. Aquela atendente velha chata e lerda que falei aqui outra vez não estava lá!, e ainda consegui pegar um caixa vazio entre dois, cujo o outro estava com umas 3 pessoas na fila. Saindo do mercado passei na casa do meu amigo Ricardo, e ficamos conversando sobre arrumar emprego e se alistar ao exercito: – Você vai servir? – perguntei. – Não. Só vou pegar a carteira de reservista, porque é bom pra arrumar emprego – respondeu. – E como você vai fazer? – Eu vou falar que meu pai é aposentado e que sou filho único. – Então eu vou falar que meu pai é aposentado, quê sou filho único, quê tenho pé chato e sou analfabeto – 'HUASUHSAUHSAHUSAHUSAHU :/ Mas essa conversa realmente produtiva não teve nada a ver com meu dia que está muito bom, e sim o que aconteceu antes disso: o Ricardo me perguntou se eu já queria pegar meus filmes que eu tinha emprestado pra ele: "X-Men Origins: Wolverine" e "Iron Man (Homem de Ferro)". Pra você isso não pode significar absolutamente nada, mas pra mim, que conheço esse cara há 17 anos, faz muito sentido, pois tudo que eu empresto pra ele, nunca volta! Acho que a única coisa que não me favoreceu muito foi a sacola em que a média veio, que era transparente; se bem que isso é frescura minha, mas em compensação, pela primeira vez, o pão tava perfeito! Tava gostoso e não tava com aquelas migalhas duras, apesar de estar soltando um monte delas. Que seja, eu sempre preciso de um motivo pra reclamar de tudo :D. Ainda tem gente que não acredita em sorte...

quarta-feira, 16 de junho de 2010

dια 14 ▫ Tenho Saudade

Eu tenho saudade de tantas coisas...

Dois mil e oito, por exemplo...
As coisas não iam bem, mas pelo menos existiam "as coisas" naquela época. Sinto falta disso.
As nossas brincadeiras, conversas curtas pelo telefone, o vazio quando não estávamos 'juntos' e o amor que era retribuído.

Eu sinto falta da minha infância...
Na quarta-série, que ninguém conhecia o garoto gordo e esquisito da classe C.
Mesma quarta-série essa em que eu apanhava se não "desse" minhas figurinhas de Yu-Gih-Oh para um filho-da-puta favelado chamado Carlos (espero que ele ainda seja analfabeto).

Inicio do ensino-fundamental...
O mesmo gordinho, com cabelo horrível. Eu tinha um cabelo ridículo, e não me preocupava com isso, pois eu não sabia disso. Hoje eu tenho o mesmo cabelo ridículo, só que ciente de tal defeito, e agora uso um boné pra não precisar fazer chapinha. Se fosse como antes, que não me importava com a bundinha que levava em cima da cabeça, seria mais fácil; ou não, pois naquela época eu nunca tinha tido nenhum tipo de contato com alguma garota.

Eu sinto falta de quando eu era pequeno e ficava com inveja dos pelos nas axilas do meu pai. Hoje os pelos que tenho nas axilas, crescem mais que o necessário, resultando em momentos desagradáveis de aparação em frente ao espelho. E digo o mesmo pros pelos pubianos.

E também quando eu era feliz apenas por ter um misero bigodinho aos onze, e agora com dezessete eu preciso tirar uma barba inteira de uma em uma semana. Mas foda-se, nem sei porque to reclamando! Eu adoro pagar um sapo com esses pentelhos, e sempre deixo crescer; e não é por preguiça ou falta de higiene, pois fiquem vocês sabendo que eu a lavo com shampoo e condicionador.

Mais uma vez o gordinho, que quando gordinho, não sabia da existência de um osso estranho que tinha por trás de seus pneus. Isso me assusta, e um dia ainda procuro um medico. Mas antes magricela, com ossos que saltam pra fora da pele, do que passar todos os dias ouvindo aquela músiquinha: “Gordo, baleia, saco de areia. Comeu banana podre, morreu de caganeira”.

dια 10 ▫ Leite com Bolacha no Mercado

Em casa passando fome, fedendo e cheio de trabalho pra fazer no computador.

Resolvi iniciar as obras, e primeiro fui fazer os serviços, mas não deu cinco minutos e eu já estava passando mal com meu próprio cheiro, então mudei e parti pro banho.

 Após ter me lavado, me arrumei e peguei dez reais de baixo do colchão e fui ao mercado. Fui andando pelo primeiro corredor e lembrei que estava com uma súbita vontade de comer bolacha ou qualquer coisa de chocolate, então parei e voltei andando pra trás de ré, e fiquei olhando a prateleira, vazia, que só tinha aquelas bolachas ruins de cinqüenta centavos. Eu não sou boyzinho nem nada, mas eram as piores das piores MESMO. Não tinha uma Bono, nem Trakinas, Tostines... nem aquelas mais ralézinhas, porém boas, da Parati e Plugados.
 Fiquei emputecido e fui seguindo, no mesmo corredor, e parei pra olhar o leite, pois ‘estava com uma vontade súbita’ de tomar um copo de achocolatado. Só tinham umas três marcas lá: Leco, Parmalat, e outra que eu nunca vi nada vida. Na hora pensei na minha mãe, que me ensinou a ser mão-de-vaca, e sempre me mandava ir ao mercado comprar o leite mais barato. Vendo que o mais barato era o menos confiável, lembrei do meu pai, que sempre dizia: “Não importa! A diferença é de alguns centavos mesmo. Melhor comprar o melhor”. E meio que fazia sentido, pois os preços eram de R$2,20 pra cima e, 10 centavos a mais poderia não fazer muita diferença no meu bolso, mas sim na minha saúde – ahhaaa, curtiu essa, hein?!.
Peguei então o da Parmalat, por R$ 2,30; 1 centavo mais caro que o Leco. Toda vez que vou comprar qualquer coisa da Parmalat, sinto um certo receio, pois teve uma época, na minha pré-adolescência, que corriam boatos que ela havia falido. Mas falida ou não, continua cara pra cacete; com exceção do biscoito recheado, que custa em média de noventa e nove centavos.
 Segui adiante novamente e fui comprar pão. Toda vez que vou nesse mercado fico indignado com duas coisas: o preço do pão, a cor da mortadela, e os ovos de Páscoa que eles vendem 10 meses após a validade com o mesmo preço. É sempre igual! O pão antigamente, no meu bairro, custava 10 centavos, no máximo 15; agora, se você for fazer as contas, deve ser de 30 à 50, NO MÍNIMO. E engraçado que antes era menor que meu pento, agora, eles até exageram no tamanho e no peso; a migalha chega até ser mais grossa; e eu nunca gostei de migalha dura (por favor, parem de pensar besteiras), porque essa bosta entra no meio dos dentes e sempre arranca um pedaço da gengiva – ta, agora eu exagerei. A mortadela anêmica que vende lá eu nem preciso falar nada, pois já fiz um post inteiro dedicado à isso:]
http://raulizar.blogspot.com/2009/12/07.html
 Com o leite, o pão, e a mortadela, fui dar uma olhada na sessão de lacticínios [?', e fiquei babando pelo 'mousse de chocolate' – sei lá o nome dessa porra! Só sei que todo mundo chama de Danone, apesar de Danone ser uma marca –; e toda vez que eu vejo esse bang, me lembro do dia que fui tirar sangue pela primeira vez – primeira vez que eu tenha me lembre –, e minha vó deu um pra mim, que fui embora todo feliz sentado no banco da frente do carro, lambendo o lacre metálico todo melado de chocolate :9. No final das contas acabei sentindo um aperto no peito quando vi o preço daquele treco: R$2,00. Ou eu levava aquilo ou levava o leite. Cheguei a conclusão que o leite compensava mais; pelo menos uns 5 copos de achocolatado [?². O bom é que até passou a minha 'vontade súbita' de comer aquele negócio.
 Dei a sorte de achar um caixa vazio, e sem a atendente que eu mais odeio: uma velha desgraçada que demora uns 40 minutos pra atender, e ainda tem a cara-de-pau de ficar conversando com as outras caixas; e eu tinha esperança dessa mulher ser demitida...

 Cheguei em casa e preparei um copo de Nescau com um sanduíche de mortadela de gosto duvidoso, e agora vou assistir uma série de TV que me emprestaram que aposto que já virou modinha: The Vampires Diaries. Que seja! Tchau \o_

Marcadores: Post inútil; Lixo; Pra quê postei? ¬¬'; ou melhor: Pra quê escrevi? :B

terça-feira, 15 de junho de 2010

dια 15 ▫ Falando sobre: Música

Sabe... já se foi tempo que eu gostava bastante de uma música à ponto de ela grudar.
Mentira, infelizmente ainda acontece. E não só comigo; com você também, amiguinho!
Vai me dizer que mesmo odiando Restart, nunca ficou cantando pra lá e pra cá:
E eu vou!, te espera a a a, pra onde quer que eu vá a a... pra onde quer vá a a... Te levo comigo!
E eu vou!, te espera a a a, pra onde quer que eu vá a a... pra onde quer vá a a... Te levo comigo!
E eu vou!, te espera a a a, pra onde quer que eu vá a a... pra onde quer vá a a... Te levo comigo!
E eu vou!, te espera a a a, pra onde quer que eu vá a a... pra onde quer vá a a... Te levo comigo!
E eu vou!, te espera a a a, pra onde quer que eu vá a a... pra onde quer vá a a... Te levo comigo!
E eu vou!, te espera a a a, pra onde quer que eu vá a a... pra onde quer vá a a... Te levo comigo!
E eu vou!, te espera a a a, pra onde quer que eu vá a a... pra onde quer vá a a... Te levo comigo!
E eu vou!, te espera a a a, pra onde quer que eu vá a a... pra onde quer vá a a... Te levo comigo!

?!

Não é sempre que isso ocorre, mas só que agora, de quebra foram com várias.
Como nunca falo sobre esse assunto aqui, tirei o hoje para comenta-las.



"Starstrukk" do 3OH!3 (não sei como se pronuncia isso :/) junto com a Katy Perry.
Essa música é foda demais! O cabelo de um dos caras que canta é foda demais!
Quando vejo os peitos da Katy Perry eu penso em fu-- enfim...




E por falar em Katy Perry... Sei que vocês vão tirar um sarro por isso, mas essa música, sinceramente, é uma das melhores coisas que já ouvi esse ano!: "California Gurls".
Eu vi a apresentação dela no MTV Movie Awards, e talvez tenha sido esse o motivo, pois não é de hoje que ela me seduz com aquelas caras e bocas; e ainda ta usando um shortinhos cavadão e uma peruca azul – não sei porque, mas são duas coisas que me excitam ...
E ainda me lembra GTA Vice City, o que faz ganhar mais um ponto.



Como toda música, tem sempre aquele trecho favorito. Nesse caso, são dois. Aquela parte: “You could travel the world, but nothing comes close to the golden coast”. Não pela letra, e sim pelo jeito sexy que ela fala :X. E também no refrão: “California girls, we're unforgettable. Daisy Dukes, bikinis on top”. Eu não faço idéia do que seja um “Daisy Duke”, mas depois dessa música preciso jogar no Wikipédia.

Bem, outra que ficou me azuretando as idéias, martelando na cabeça: "When I Look At You" da Miley Cyrus – pois é, meu gosto musical anda bem gay ultimamente...
Acho que não é nem pela música, e sim pela Miley. Eu já disse que tenho uma paixão platônica por ela? Se não, agora disse. E isso começou nas vezes que eu ia na casa de um amigo meu que gosta de assistir Hanna Montana.



Toda vez que assisto esse clipe fico suspirando em frente a televisão, olhando pra ela, e ouvindo a voz dela bem roquinha, desafinando um pouco no refrão... E ainda tem gente que diz que não importa a beleza exterior das pessoas... Só diz isso quem é fã da Susan Boyle ¬¬'.
Olhe bem fixamente para aquela boca linda dela enquanto está cantando. Agora me diz se a música não entra na mente?!

"Rock That Body", do Black Eyed Peas. Essa é muito massa! Toda vez que vou em alguma baladinha – como se eu fosse muito – ta tocando ela. E é uma música que agita! (ou não).
Uma mistura de música eletrônica (como todo o novo disco deles :B) com... sei lá!; na verdade não é uma mistura de nada, é apenas eletrônica mesmo; eu só queria falar bonito mas não consegui completar.



A melhor parte é a quando o Will.I.Am canta e jogam um tipo de efeito eco na voz dele.
Tirando "Meet Me Halfway" e "Electric City", é uma das únicas que salva o álbum The E.N.D.
E já vou aproveitando para mandar TOMAR NO OLHO DO CU aqueles que gostam daquela PORRA de "I Gotta Feeling". I GOTTA FELLING O MEU CARALHO! Ainda tive que ouvir aquele narrador veado da Bandeirantes falando na abertura da Copa do Mundo que essa merda dessa música é uma das melhores da nova década. Ah vai se fuder! Sonzin chato e insuportável da bexiga '--.

Outra bem gay também é "Tea Party" da Kerli. Eu só parei pra ouvir essa música porque faz parte de Almost Alice, trilha sonora de Alice In Wonderland.



E só gostei também porque ela ta bem gostosa naquela parte em que faz uma dancinha supimpa em frente ao espelho. [...] Ta!, a música é legalzinha :B.

Por último e nem por isso menos importante: "Use Somebody" dos Kings Of Leon.
Eu escutei essa música em uma festa de uma amiga, uma amiga que eu era bem afim, quase ou talvez apaixonado, mas a letra não tem nada ver com ela. O que fudeu mesmo foi o DJ ter tocado várias vezes. Logo eu percebi que aquilo era um remix, e mal pude esperar para baixar a versão original, que é sem duvidas muito melhor!



O vocal canta bem demais, cara!, mesmo sendo meio rouco. A música é perfeita em todos os detalhes. O ruim é que é curta, e tem também a composição, que não faz muito sentido, mas isso não importa mais, porque eu sozinho cheguei a conclusão de que o cara ta cantando pra uma prostituta que ele estava gamado, saka: “...Você sabe que eu poderia usar alguém... alguém como você. Pela noite, enquanto você vive, eu estou dormindo...”. Faz todo sentido, não?!


Bem, eu fico por aqui com mais um post inútil – talvez.
E como dizem “Mi casa, su casa”, eu digo: “Mi gosto, tu gosto” \o_ {ãn? –q}

domingo, 6 de junho de 2010

dια 06 ▫ ExpoIzar

Domingão em Mongaguá!
Eu e o Rodrigues decidimos ficar mexendo no computador, vendo umas fotos, desenhando...
Até que eu resolvi tomar um rumo na minha vida: virar artista.

Desde a infância eu desenho coisas... Desenhava Superheróis, Dragonball, Mulheres vestidas nuas, e até mesmo criava alguns personagens. Um que ficou bem marcado e fez bastante sucesso (nem) na época, foi o Dr. Rosnão, como algumas pessoas me chamam de vez em quando; nome que usei como senha de perfis que tinha pela internet por uns bons anos.

Hoje, em apenas um dia, dediquei boa parte do meu tempo para exercitar um pouco dos meus dotes artísticos, e vou postar minhas obras aqui, como uma espécie de galeria virtual para vocês apreciarem:




HAUSUHASUHASUHASUHASHUASUHASUHSAUHASHUAS. Nem ri ¬¬'

quinta-feira, 27 de maio de 2010

dια 27 ▫ Não leia. Falo sério.

Cara, hoje foi um dia um tanto estranho G_G

Tudo começou quando eu tava muito apertado, segurando uns quatro dias, entupidaço pra ir ao banheiro e, quando tava lá mandando o barro, entrou uma garota, enfiou a cabeça e as mãos por baixo da porta da 'cabine [?]' que eu estava e puxou o meu gurizinho.
Acho que isso foi a coisa mais bizarra que aconteceu em toda a minha vida O_O*!
Mentira, isso não aconteceu; tive que inventar alguma coisa pra deixar você entretido e interessado pelo post.

Mas na real, houveram umas conversas um tanto estranhas onde eu trabalho.
Começou com uma guria, conhecida do meu pai, que apontando para cintura disse que a mãe dela quebrou a bacia. Meu pai não perdeu a oportunidade e foi tirar mó sarro da menina, mas, no entanto, ele não foi tão contente, e soltou a seguinte frase: “Onde fica a bacia? (sarcasmo) A bacia não é aí! 'kk. A bacia são as nadegas!” e eu só de longe ouvindo a conversa: “Õ__ò?”.
Não agüentei ficar calado e disse: "A bacia não são as nadegas! A nadega é a banda da sua bunda". :S
Mais tarde veio a minha irmã falando pra minha mãe: "Nossa, trocar fralda de menina é difícil mesmo!" e a velha, sem escrúpulos: "É mesmo! Ainda mais quando suja a periquita toda de cocô e dá mó trabalho. Tem que abrir pra limpar". E dessa vez a minha reação foi só um pouco diferente: "O____________O!?!?! FUUUUUUUU :OOO". Caralho, mas o que eu tinha feito pra ouvir uma merda dessas? Mas ainda sim, me veio na hora uma idéia mais estúpida ainda de fazer a seguinte pergunta pra mina que trabalha comigo: "Ô 'Fulana', quando você faz cocô tem que abrir lá pra limpar?" 'HUAHUAEHOIHIOAEHIOAE.

Ta legal, esse é um dos meus textos que não deveriam ser publicados ¬¬'.
Desculpem =/