terça-feira, 30 de setembro de 2008

dια 30² ▫ Celular Novo

Parte 1: http://raulizar.blogspot.com/2008/09/30a.html

Liberdade! Cheguei na Tricolor e minha irmã perguntou:
_ Já? Chegou cedo!
_ É, dei a fuga. Laura, compraram o almoço?
_ Não, só pedi uma marmita. Seu pai – é assim que chamamos o nosso pai – disse que ia trazer comida da casa da vó.
_ Ahh, ta!
Nem deu pra mim usar nenhum computador, todos estavam ocupados, fiquei conversando um pouco com a Gisele sobre Friends, mas depois eu vi pela janela meu pai chegando de carro com a minha mãe. Vi que minha vó estava no carro, e fui descer pra falar com ela, eu tava com saudades. Descendo a escada minha mãe disse: "Sua vó quer falar com você", aí eu disse: "Já tava indo lá mermo". Fui até o carro, e sem suspense ela puxou um celular da bolsa e disse:
_ É pra você
_ Ahhh, brigado vó!
_ Ele é meio antiguinho, depois te dou um que tira foto.
_ Ah, não precisa não, não se importa esse é muito loco.
_ É que eu sempre ganho grátis de 6 em 6 meses. – Essa parte eu não entendi :S
_ Ah, mas eu gostei desse aqui, é mó lindo. – Não é um celular modernooo, mas é preto, e fino *-*, e tem um layout legal. Pra um fudido que queimou o computador e teve sua bicicleta roubada, esse é o fim de uma grande maré de azar.
Subi as escadas todo eufórico, cheguei mostrando o celular pro povo, e o Thiago já fez aquela cara de bunda e começou a rosnar coisas do tipo: "A Vó ta fudida, ela te deu um celular, e pra mim nem deu. Ela sabe que eu preciso mais que você!". Eu olhei pra cara dele ._. "Oxi, ela nem é sua vó. Quer dizer, ela me conhece há mais tempo... Ahh, ela deu pra mim, foda-se".
Com R$3,00 que a Laura havia me dado para comprar um lanche, eu gastei com dois gordurosos e queimados bolinhos de carne da padaria 'Ouro Bianco'. O carinha que vendia lanches gostosos a R$1,00 fechou a loja dele em cima do Bradesco.
Peguei um real no caixa, a sacola que trouxe de casa e fui pra lanhouse do Alexandre. Subi para o ônibus e sentei logo no meio, eu tava com medo de o ônibus virar antes do caminho de chegada, ou fazer um trajeto diferente... mas com medo mesmo eu fiquei foi da tiazinha que sentou do meu lado. Caralhoo, sempre sentam do meu lado com o ônibus vazio! A mulher parecia louca, ela dava uns tic's com a cabeça, ficava se contorcendo e olhando pra minha cara, eu agarrei firme a minha sacolinha e virei o celular pro outro lado, comecei a fuçar os recursos, poucos, mais ainda sim recursos. Quando vi que o ônibus tinha chego até a escola que ficava em frente a lan, comecei a descer junto com o povo, agradeci o motorista e fui em direção a lanhouse. Lá tentei ajudar o Alexandre a concertar a rede, tinha um molequinho baixinho e gordinho, que veio sei lá da onde e ficou olhando o que estávamos fazendo. Ele não se tocava que já podia ir embora! Tentamos instalar alguns jogos, mas com a lerdeza que tava aquele servidor não deu muito certo não. A única coisa que consegui foi colocar um serial no Counter-Strike sahuashuahsu. Com a ajuda do Joelson, pelo MSN, tentei fazer um server pra jogar em rede o_o.
Depois acabei brigando com uma pessoa que não queria, eu acho.
Sai de lá, fui pra casa do Leonardo, e ficamos conversando sobre isso, até umas 3 horas da manhã. Quando cheguei em casa, levei muitas broncas.

dια 30¹ ▫ Aquele dia na Escola

  Bela terça feira! Não consegui acordar (como sempre), depois de ter chegado em casa às 01:30 da manhã... Quando ouvi a voz da minha irmã entrando em meu quarto, dei um salto da cama, ela perguntou: "Não vai trabalhar hoje?" e eu respondi: "Vou! Já to até arrumado", saí pegando as roupas jogas pelo chão do quarto, peguei uma calça com os bolsos rasgados e vesti, abri o guarda-roupa, olhei de ponta à ponta todas as camisas pretas, pensei um pouco e escolhi uma preta.
  Hoje minha mãe foi junto comigo, ela ia ficar zambuletando por Mongaguá, abri minha pasta de serviços no computador e vi que estava lotada. Não lembro os serviços que eu fiz, lembro-me de um pôster, era uma garotinha morena, com manchas no rosto. Tirei as manchas dela, troquei o fundo branco e coloquei um branco, uma margem laranja em volta, e em baixo escrevi "Maria Luisa 01º Aninho". Fora isso naum to lembrado de mais nada, quando deu 12h30minh me lembrei da escola. Eu não sabia se ia ter aula hoje, olhava sem parar pela janela, pra ver se tinha algum trouxa à caminho. Com a minha mania insuportável de olhar para o espelho de 1 em 1 minuto, entrei no banheiro, dei uma mexida no cabelo, aproveitei para tirar água do joelho (sempre quis dizer isso *-*), depois voltei pra sala. Olhei pela janela pela ultima vez, vi um carinha que sempre passa pela Getúlio Vargas.
  Ele nem deve imaginar, mas ele é meu ponto de partida. Se ele vai pra escola, é porque eu sei que vai ter aula. Se ele não vai, é porque não vai ter aula. Se ele não vai, e tem aula, bem... aí quem se fode sou eu, né?!

  Na pracinha em frente a escola, não haviam muitos alunos. Só os maconheiros que sempre ficam ali em frente, os pais corujas que levam seus filhos cdf's, as garotas do Expressão – uma escola particular pra pobre metido a rico (segundo a minha professora de Geografia, Vera Ledo) – que passavam lá em frente pra a gente ficar de olho em suas nádegas bonitinhas e tinha também só um moleque da minha sala, o Guilherme. Sentei do lado dele no banquinho e perguntei sobre a aula de ontem, ele disse que não teve nada demais, disse também que hoje íamos sair às 14h. Tocou o sinal e como só havíamos nós dois, íamos dar o fora, mas daí ele decidiu ir na secretaria para pegar um papel pra trabalhar de guardinha na prefeitura. Na secretaria eu vi o Jé passando no corredor, ae resolvemos ficar (no sentido de se estabelecer). Entramos pela porta da secretaria mesmo, tomei rumo pra classe. Primeira aula era Geografia, e a segunda era Geografia também sauhash. Os alunos da 8ª A eram poucos hoje, só tinha umas 3 garotas e uns 3 garotos (contando que eu já sou um homem (H)). A professora – a mesma citada à cima - entrou na sala de aula, e logo atrás dela vieram alunos da 7ª série, e no meio deles estava a minha 1ª filha, Thalita \o/. Depois de uma guerra de balas doce – iniciada pelo Jefferson – vieram as gracinhas que me prejudicavam, ele escondeu o meu estojo dentro da outra sala, aff, como seu eu não soubesse que tinha sido ele, dã! Fiquei um tempo sentado com a minha filha, ela me chamou para ir na casa dela na 5ª feira, que ia um povo da escola para assistir filme lá, e eu todo emocionado por ter recebido o convite, aceitei, claro! xD A Professora Vera Ledo – criativamente apelidada pelos outros alunos de Vera Rego – passou uma lição interessante. Eu gosto de lições interessantes, elas me fazem lembrar que a escola as vezes tem algumas utilidades e benefícios. Era um texto que falava sobre, as pessoas que nascem em um local e vivem até a morte, e as pessoas que migram para locais distantes. Passou uma questão: "Se você fosse migrar para outro país, qual país seria?", e eu na pressa para voltar a jogar com o Canarinho, respondi o primeiro que me veio na cabeça "Eu mudaria para os EUA, porque apesar de ser praticamente o centro do Planeta Terra, é um país que muitos gostariam de ir. E conheço um cara que mora lá, e disse que a tecnologia é avançada e os preços muito baixos".
  Tocou o sinal novamente, já estávamos na 2ª e ultima aula :B, a profª. mandou irmos para uma sala onde se encontrava a 5ª série O_o. Fomos todos juntos nos unir com a pivetada, ela passou um livro e mandou ler 4 páginas, eu tava de saco cheio e nem fiz a droga da lição. Nada de legal dentro daquela sala a não ser atrapalhar a aula das crianças. Um molequinho que sentava lá na frente começou a se aparecer, acho que ele queria nos impressionar, afinal somos os alunos mais velhos x). Esse mesmo moleque tacou errorex na cara, e pra deixar mais divertido tacou na cara do amigo sentado a direita, kkkkkkkkkkkkkk rachei o bico de ver a cara deles. Cansado de não fazer nada, fui para a porta da sala de aula. A tia (expectora) tava tirando cadeiras de uma sala e colocando em outra, eu como bom aluno que sou, perguntei se ela queria ajuda, como já era de se esperar ela disse que sim huioheahiahieoeaeioaehiehehe. Levei a mesa e a cadeira ao mesmo tempo, para a sala 10 (que nem ela falou pra fazer ;D). Tocou o sinal novamente e saímos voando pela porta, a Profª. Simone perguntou onde tava meu bilhete, eu respondi "Ah, claro... Que bilhete?" Ela disse que era um bilhete com a autorização do responsável, para liberar a saída do animal. É obvio que eu não preciso de um bilhete ridículo desse, só que na hora eu bem que queria ter um ¬¬’. A Profª. sumiu pelo pátio e eu aproveitei a deixa para abrir a porta e dar o fora, quando eu abri tinha um mulher vindo pelo outro lado o_O. A minha Ex Profª. de Geografia estava indo embora naquele momento, ela saiu e avisou pra tia (uma outra expectora) que estávamos tentando fugir. A muié veio, fechou a porta e saiu. Logo atrás de mim surge o Jé do nada, ele me deu um empurrão pro lado com aquela pança e abriu a porta, eu saí correndo porta a fora, ouvi gritos de alguém falando pra voltar, mas nem olhei para trás.

Parte 2: http://raulizar.blogspot.com/2008/09/30b.html

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

dια 12 ▫ Passeio na Motoca

  Hoje é o aniversário da Natálinha, liguei pra ela para dar os parabéns – Que nem eu havia prometido –, só não esperava que fosse ficar 4 horas com ela no telefone, falamos de assuntos tão variados, desde as eleições americanas à queda da economia HAEihAEIHOiohea. Falar em queda na economia, nem quero ver a conta de telefone uhashuaush. Bocejei bastante, dificilmente desliguei o telefone e fui dormir, às 04h.



  Estava de manhã, quando derrepente algo abre a porta do meu quarto e puxa meu cobertor. Era meu tio me acordando, tão cedo, eram só 10:30! Caralho, tava tão bom o sono, os sonhos... (6) Então, depois de ter feito um comentário do tipo "Nossa, que perna peluda é essa?", minha mãe responder "É, tem mais pelos que o pai dele" e eu, em pensamentos... "Pronto, acho que isso é herança da mãe deles".

  Não deu tempo nem de me espreguiçar e meu tio já foi me chamando pra ir na casa dele para arrumar o computador. Dei uma passada antes no Supermercado São José, só havia um moleque na minha frente, uma demora dos inferno, ele começou a pedir mortadela, presunto, queijo, salame... No balcão tinha uma atendente, só que a retardada olhava pra minha cara e não me atendia, porra meu, quê que aquela trouxa estava fazendo ali se ela não trabalha?! Cacete! Tempos depois peguei o santo pão e saí fora. Coloquei um capacete e subi na moto do meu tio, a lambreta, saiu no maior pau. Chegando na marginal ele começou a correr e voar pelas lombadas, tomei um susto quando vi ele tentando ultrapassar um carro pela direita, eu olhei, parei meu cérebro naquele momento e pensei "Ele não vai fazer isso!", quando olhei pro lado só vi a janela direita do veiculo branco ao meu lado... – DIACHO! ELE TEM CARTEIRA DE HABILITAÇÃO? – Na hora fiquei no cagaço de o carro dar uma fechada em nossas pessoas... Já estava ficando acostumado quando ele fez isso mais 3 vezes durante o trajeto ^^! Eu já estava na expectativa de que ele não tentasse mais repetir aquilo, mas não contente ele tentou se meter no lado direito de um ônibus, mas só parou quando o ônibus deu uma freada em nossa frente, por sorte os reflexos do veinho ainda eram bons, parou a moto junto com o ônibus, se eu não estivesse me segurando na moto, eu estaria com a cabeça dentro do escapamento do ônibus. Segundos depois de tal fato, meu tio olha pra trás, com aquele sorriso amarelo: "Hehe" e eu com aquela cara de espanto: "Eh... ainda não foi dessa vez". Depois de o ônibus ter ficado para trás, me senti em uma arrancada, começou a correr pela avenida, 80kmph, ultrapassando vários carros, pelo lado esquerdo... chegamos em nosso tão esperado destino!

  Enquanto eu arrumava o computador, ele trazia uma bandeija com 5 lanches O_O e dois copos de suco. Arrumei a bagaceira e liguei o computador, testei a net e entrei no msn. Fiquei enchendo o saco da Natália no msn, os dois ligaram a cam e ficamos de palhaçada huashasa, interessante como ela consegue atender o telefone, segurar com o ombro e usar as duas mãos para outras coisas (6), acho que só eu não consigo executar tal ato.


Finalmente em casa! Agora me da licença que estou indo no banheiro passar um fax para New Jersey.