terça-feira, 30 de setembro de 2008

dια 30² ▫ Celular Novo

Parte 1: http://raulizar.blogspot.com/2008/09/30a.html

Liberdade! Cheguei na Tricolor e minha irmã perguntou:
_ Já? Chegou cedo!
_ É, dei a fuga. Laura, compraram o almoço?
_ Não, só pedi uma marmita. Seu pai – é assim que chamamos o nosso pai – disse que ia trazer comida da casa da vó.
_ Ahh, ta!
Nem deu pra mim usar nenhum computador, todos estavam ocupados, fiquei conversando um pouco com a Gisele sobre Friends, mas depois eu vi pela janela meu pai chegando de carro com a minha mãe. Vi que minha vó estava no carro, e fui descer pra falar com ela, eu tava com saudades. Descendo a escada minha mãe disse: "Sua vó quer falar com você", aí eu disse: "Já tava indo lá mermo". Fui até o carro, e sem suspense ela puxou um celular da bolsa e disse:
_ É pra você
_ Ahhh, brigado vó!
_ Ele é meio antiguinho, depois te dou um que tira foto.
_ Ah, não precisa não, não se importa esse é muito loco.
_ É que eu sempre ganho grátis de 6 em 6 meses. – Essa parte eu não entendi :S
_ Ah, mas eu gostei desse aqui, é mó lindo. – Não é um celular modernooo, mas é preto, e fino *-*, e tem um layout legal. Pra um fudido que queimou o computador e teve sua bicicleta roubada, esse é o fim de uma grande maré de azar.
Subi as escadas todo eufórico, cheguei mostrando o celular pro povo, e o Thiago já fez aquela cara de bunda e começou a rosnar coisas do tipo: "A Vó ta fudida, ela te deu um celular, e pra mim nem deu. Ela sabe que eu preciso mais que você!". Eu olhei pra cara dele ._. "Oxi, ela nem é sua vó. Quer dizer, ela me conhece há mais tempo... Ahh, ela deu pra mim, foda-se".
Com R$3,00 que a Laura havia me dado para comprar um lanche, eu gastei com dois gordurosos e queimados bolinhos de carne da padaria 'Ouro Bianco'. O carinha que vendia lanches gostosos a R$1,00 fechou a loja dele em cima do Bradesco.
Peguei um real no caixa, a sacola que trouxe de casa e fui pra lanhouse do Alexandre. Subi para o ônibus e sentei logo no meio, eu tava com medo de o ônibus virar antes do caminho de chegada, ou fazer um trajeto diferente... mas com medo mesmo eu fiquei foi da tiazinha que sentou do meu lado. Caralhoo, sempre sentam do meu lado com o ônibus vazio! A mulher parecia louca, ela dava uns tic's com a cabeça, ficava se contorcendo e olhando pra minha cara, eu agarrei firme a minha sacolinha e virei o celular pro outro lado, comecei a fuçar os recursos, poucos, mais ainda sim recursos. Quando vi que o ônibus tinha chego até a escola que ficava em frente a lan, comecei a descer junto com o povo, agradeci o motorista e fui em direção a lanhouse. Lá tentei ajudar o Alexandre a concertar a rede, tinha um molequinho baixinho e gordinho, que veio sei lá da onde e ficou olhando o que estávamos fazendo. Ele não se tocava que já podia ir embora! Tentamos instalar alguns jogos, mas com a lerdeza que tava aquele servidor não deu muito certo não. A única coisa que consegui foi colocar um serial no Counter-Strike sahuashuahsu. Com a ajuda do Joelson, pelo MSN, tentei fazer um server pra jogar em rede o_o.
Depois acabei brigando com uma pessoa que não queria, eu acho.
Sai de lá, fui pra casa do Leonardo, e ficamos conversando sobre isso, até umas 3 horas da manhã. Quando cheguei em casa, levei muitas broncas.