sábado, 30 de novembro de 2013

dια 30 ▫ Narrativa TR #1

Vamos lá. Esta é uma narrativa em tempo real,
mas gostaria de dizer que estou com uma dor de cabeça desgraçada.

Meu sobrinho encheu o saco para trazê-lo numa festinha dá escola dele em Mongaguá e, aqui estou eu, rodeado de algumas crianças e o irmão de uma delas que fica se mostrando fazendo piruetas, deixando a molecada doida. Como criança é bicho besta.

E eu não consigo entender porque tem um cartaz desejando "Feliz Dia dos Professores" e outro "Das Crianças". Será que isso é preguiça ou simplesmente ainda não perceberam que já estamos praticamente em dezembro?!

Fico bolado vendo essas crianças dançando melhor que eu.
Aliás, eu não danço.

E, Deus, me perdoe mas, tem umas garotinhas aqui que, se eu fosse 10 anos mais novo já estaria dando idéia. (...) Calma, gente, é claro que isso não é verdade! Afinal, sou tímido.

Cara, acabei de descobrir que meu sobrinho sabe dar estrelinha! Eu mal sei cambalhota!

Mas tá, esse texto esta ficando muito coisa de gente frustrada.
Mas veja só, a minha dor de cabeça está passando!

Agora eu vim aqui pra fora, observar a rua.
Essa cidade é um ovo; logo vejo alguém conhecido passando, quando tirar os olhos do celular.
Mas sei lá, ao mesmo tempo que gosto de Mongaguá, me sinto meio triste aqui. Talvez seja a hora de admitir que tenho a mente fraca. Porque qualquer canto me dá nostalgia. Hoje mesmo, no trajeto que fiz pra chegar até aqui me via alguns meses atrás andando por ele com outra pessoa. Mas não é como se sentisse falta. Acho que apenas não queria ter essas memórias. Porque em momentos de carência o emocional fica ruim.

Enfim, já vi que não vou parar de reclamar.
Mas foda-se, eu sou assim, dramático por natureza.

Já que é pra reclamar, qual é a lógica de trazer um prato de doce, salgado ou refrigerante pra uma festinha onde eles cobram R$1,00 a entrada e os próprios comes e bébes?!
Mesmo o meu sobrinho de 8 anos ficou indignado e me questionou por que deveríamos trazer algo e depois pagarmos por ele.
Vai entender essa sociedade capitalista em que vivemos...

Agora tem uma garota gostosinha ali. Pelo menos de costas.
Será que é a mãe de alguém? Será que vou pegar? Acho que nunca peguei a mãe de alguém... Apesar de algumas gurias que já peguei hoje em dia serem mães. Apesar de eu ter minhas suspeitas de que a que tive meu segundo beijo estava grávida.


Tive que fazer uma pausa porque meu sobrinho foi falar pra diretora que eu sou fotógrafo, daí ela veio pedir pra eu tirar umas fotos. Ai, ai.
Como eu disse, eu não gosto de fotografar e nem quero seguir com a fotografia, mas ela me persegue; e parece que não tem escapatória.

Mas valeu a pena ouvir meu sobrinho dizendo aos amiguinhos "É o meu tio que tá tirando foto". Own! Como criança é uma coisa adorável!

E todo lugar que vou falam que eu sou fotógrafo. Cara, eu não sou. E sempre me dão uma câmerazinha amadora na mão e fico parado feito um idiota sem saber mexer. Agora mesmo me senti antiquado com a simplicidade de apenas bater uma fotografia olhando pelo visor digital, e confuso sem poder ajustar o zoom direto da lente. E é engraçado, saber usar algo profissional, e se sentir burro com o convencional/básico.

Moral da historia: eu tive que dar R$2,00 pra entrar, logo eu paguei pra fotografar.
Pior que não teria sido a primeira nem a segunda vez. Tive um baita de um prejuízo fotografando dois eventos para uns "amigos" meus em setembro do ano passado e janeiro desse ano. E até agora ninguém me pagou. Pra não dizer que não me deram nada, comi UM lanche natural, e tomei UM copo de Coca.

E então a garota não era mãe de ninguém.
A vi de frente e, era só apenas mais uma criança, só que encorpada.

Agora comprei um sorvete. R$1,20. Que roubo, escola Tonico Silva!
Mas tudo bem, só comprei porque estava aguado por um já faz alguns dias.
Quanto tempo não tomo um sorvete de maracujá! Só não lembrava que tinha esses caroços. Bléh!
Por que tudo de maracujá eles colocam os caroços? Não é bom, porra! Cada idéia...

Como se não bastasse agora estão tocando "Somebody That I Used To Know" do Gotye.
Puta merda, essa música tá no topo das que me batem nostalgia! E fodida!
Curioso, esse lance de nostalgia. Parada meio louca. Pesquisarei mais a respeito.

Talvez eu seja mesmo antiquado, mas que bosta de país é esse que em uma escola infantil as crianças dançam funk com a blusa amarrada mostrando a barriga e palavras como "putaria" ecoam da "música" salão adentro?! Vai tomar no cu! Esse mundo tá perdido!

Me pesando pela segunda vez hoje. Estava com 71kg na primeira balança, mas não podia aceitar, levando em conta a minha dieta para engordar, comendo igual um doido desde que saí daquela fossa pós fim de relacionamento. Mas pra minha infelicidade na segunda deu a mesma coisa.
Caramba, o que será que uma pessoa precisa fazer pra engordar nos dias de hoje?! Parece que quanto mais eu como mais eu emagreço!

Cabei de comer uns salgados e um x-burger com o guri...
Tive que sentar virado pro outro lado porque tinha uma velha sinistra me olhando e fiquei com medo.

00h12m
Agora eu tenho um desses celulares com Android. E a razão de ter começado isso aqui é basicamente não ter nenhum joguinho legal instalado nele. Aliás, até tenho. Mario e Rock And Roll Racing para um aplicativo que emula games do Super Nintendo, mas jogar pela tela do celular é péssimo; mal consigo apertar um "botão", quanto mais dois!
Então digitei essa porcaria inteira nas notas do celular, e tive que baixar um aplicativo editor de txt para poder copiar e colar UMA POR UMA em um arquivo dentro do meu cartão de memória.
Eu poderia simplesmente ter enviado pro meu e-mail, se o meu celular não só conectasse ao wi-fi (roubado) da vizinha, mas também à internet dela.
Enfim, chega de papo nerd.
Se bem que tudo isso hoje em dia já tá mais do que comum nas vidas das pessoas...

Foi bom escrever por escrever. Como nos velhos tempos; qualquer porcaria é válida.