terça-feira, 18 de outubro de 2011

dια 18 ▫ Disquetes, PenDrivers e CDs Regraváveis

Hoje de manhã, resolvi uma pendência.
Algo que estava causando problemas grandiosos em minha vida, a dificultando de uma maneira inexplicável.


Vocês se lembram do Disquete? Você que nasceu de 95 pra cá, e não faz idéia do que estou falando, vou desenhar:
O disquete – ou Diskette – foi criado com intuito de transportar arquivos de um computador para o outro. Diferente de um CD-R, era-se possível apagar estes arquivos. A única lástima, era que os disquetes tinham um limite de capacidade de apenas 1,44MB.
No início do século XXI, o que estava em alta, eram as Mídias Regraváveis, com uma capacidade de gravação consideravelmente alta, de 700MB (CDs-RW), à 4GB (DVDs-RW). Mas não muito tempo depois, novas tecnologias foram surgindo, como os extintos Aparelhos-MP3.
Deve-se ao o comercio de produtos genéricos a extinção dos MP3. 99% destes deixaram de funcionar, servindo apenas para armazenamento de dados – e foi assim que os dispositivos PenDrive foram popularizados.
Basicamente, o PenDriver é o substituto do Disquete. Com limites que variam de 1 à 16GB, tornou-se a maneira mais fácil e ágil de mover dados – como imagens, músicas, vírus e até mesmo filmes – de micro à micro.

Uma das marcas mais conhecidas mundialmente e campeã de vendas destes pequenos, é a Kingston.
Meu primeiro PenDriver, por exemplo, foi da Kingston. Daquele modelo "canivete", preto, com uma cordinha azul, que parte foi arrancada e levada pela minha ex-namorada – o que não convém nem um pouco ao assunto. Primeiro este, que durou, de 2009 até o começo deste ano.
Mas, é do meu segundo pendriver que vim hoje aqui falar.

Em uma das eventuais idas do meu pai à São Paulo (capital), foram comprados – por motivos de necessidade – uns 5 destes azulzinhos.




Com 4GB cada, e uma barganha de R$19,90, não pude resistir, e claro, me apoderei de um.

Devido a este maravilhoso atacado, ganhei junto com o pendriver um problema: toda vez que o conectava em um dos computadores da Tricolor Foto e Vídeo, não sabia distingui-lo dos outros. Porém, não fora tão difícil arrumar uma solução. Usei de outro problema meu, para resolver os dois.
Há uns tempos atrás, ganhei um dos presentes mais legais da minha vida: uma cartela com 6 adesivos do Superman do Rodrigo Ramos. Colei dois na janela do meu quarto, outros dois na minha caixa de discos, um joguei fora porque era muito feio, e outro que sobrou, guardei para o momento certo – e este, foi o momento certo:




Tentei colocá-lo na parte azul, mas quando girava o metal para usar o pendriver, ele ficava todo torto. Bem, quem é sagaz – ou nerd – entendeu qual era a minha falha intenção.


E foi assim que resolvi, este problema que tanto importunava, fazendo-me toda hora ter de abrir meu pendriver no computador antes de poder guardá-lo no bolso e levá-lo pra casa.

Espero que tenham aprendido com o post de hoje, turminha. Conhecimento é tudo nesta vida.
E lembrem-se: “Um comentário a menos nunca é demais. Demais mesmo são vários. Então comentem aí”.