sexta-feira, 14 de outubro de 2011

dια 14 ▫ Tão Apressadinho

Fazendo um esforço para redigir mais um de meus textos inúteis, vim aqui para lhes mostrar como um homem pode chegar a um estado de satisfação altíssimo, e se sentir um lixo em apenas 2 minutos depois.


Foi assim:
Estava eu, indo embora da Tricolor Foto e Vídeo, e como um bom cavalheiro, ajudei as moças (minha irmã e minha mãe) a levarem as coisas até o carro. Nesse meio tempo, acabei "perdendo" o ônibus, que passou correndo dobrando a esquina.
Rapidamente me despedi delas duas, e fui correndo (muito) entre as ruas do Centro de Mongaguá, cortando caminho, para conseguir pegá-lo na outra avenida.

No meio do trajeto, ouvi o barulho do ônibus. Acelerei o passo, e quando cheguei lá, ele já estava saindo. Me joguei na frente dele, e comecei a acenar, feito um problemático; e então o motorista abriu a porta.
Foi aí que eu me senti foda.

Entrei no ônibus, e paguei a passagem com o meu único vale-transporte. Lá dentro, vi a mãe de uma das garotas que trabalham comigo, e por um instante não dei importância. Demorou algumas frações de segundos para meu cérebro lembrar, que a coroa morava num bairro, razoavelmente longe do destino em que eu pretendia chegar. Então perguntei ao motorista: “Esse ônibus vai pro Regina Maria?”, e ele respondeu: “Não, Jussara”.
E foi aí que a minha auto-estima foi de 190, à -8.


Resultado:
Tive que ir até o Jussara, descer na entrada do bairro, e andar até onde eu queria ir.
Tudo bem; apenas mais uma caminhada para o meu histórico. E andar faz bem pra saúde. Além de que, já fiz esse trajeto outras vezes.
O problema é que, teria sido desnecessário, se eu não fosse tão apressadinho.