quarta-feira, 12 de agosto de 2009

dια 12 ▫ Entendendo a Poesia

Uma das coisas mais interessantes na poesia é que você lê e relê e fica sem entender patafinas.
Em alguns casos você só entende quando o texto traz emoções e fatos que batem com os seus, ou seja, quando você se identifica.

Admiro as poesias fáceis, aquelas escritas para que todos entendam; mas quando você está por trás, quando você banca o poeta... ah, aí você entende a cabeça do autor.
Sua intenção é apenas de expressar teus mais íntimos sentimentos, não de fazê-los compreensíveis; mas mesmo assim a vontade de compartilhar suas belas palavras supera a vergonha – eu, pelo contrario, não temo.

Não entendo nada sobre poesia, somente o essencial: poetizar é expressar aquilo que você sente.
Mas se tem uma coisa que eu pude reparar com o pouco de experiência, é que não adianta escrever para ganhar publico, tentar causar impacto ou emoção, ou até mesmo se vender.
A poesia sai por naturalidade, e não por necessidade.

Agora chega de falar e falar, ou melhor: escrever e escrever.
Fiz uma espécie de explicação, para que todos possam entender a cabeça do autor – nesse caso, eu.
Sei que futuramente isso vai servir para mim também, que irei ler esse texto um tanto abstrato sem entender direito qual tinha sido a minha intenção.

http://raulizar.blogspot.com/2009/08/12c.html
© Raul Izar

Criado: 12/08/2009 23h50m - Revisado: 17/08/2009 14h12m - Postado: 15/11/2009