quarta-feira, 12 de agosto de 2009

dια 12 ▫ Ao acaso do Destino

Hoje eu finalmente cheguei à conclusão de que não posso te amar pra sempre.
Mesmo sabendo das atuais circunstâncias eu ainda tinha esperanças,
mas já vi que o correto a fazer não é continuar batendo na mesma tecla.

Toda aquela conectividade que tínhamos... a admiração que eu sinto por você, os sentimentos... nada mudou.
Parece que tudo aumentou agora que voltamos a nos falar.
Mas eu prefiro acreditar que não é amor, embora eu saiba que é.

Eu ainda tenho fé, mas eu quero me livrar dela!
O Universo conspira ao nosso favor, pode ser que o destino faça o mesmo,
mas até lá eu já não sei qual vai ser a minha escolha – se agora eu tenho duvidas...

De todas as façanhas e negatividades que o amor nos traz,
tem uma que é a mais ridícula: amor platônico.
Você se sente um idiota por sentir e, por mais que queira, não consegue se livrar dele.

É... à cada dia que se passa eu vou sentindo que não posso te amar pra sempre.
Amor estúpido!
Eu penso que não é real, passageiro, mas a cada dois meses ele volta pra me consumir.

A escolha agora não é mais ‘viver te amando a cada dia sabendo que nada irá acontecer’.
Diria que agora é hora de viver pra esquecer esse amor, mas ainda sim há um vínculo.
Portanto: agora é hora de viver minha vida sem pensar na nossa antiga ou futura paixão.
Vou ser imprevisível e o que o destino colocar em meu caminho será a minha escolha.

© Raul Izar

Criado: 12/08/2009 22h37m - Revisado: 17/08/2009 13h20m - Postado: 29/10/2009 01h11m